Sintra prepara missão empresarial a São Tomé e Príncipe

O município de Sintra pretende ser um interlocutor do investimento português em São Tomé e Príncipe. Este compromisso foi avançado por Basílio Horta, presidente da autarquia, no recente seminário “Oportunidades de Negócios & Cooperação em São Tomé e Príncipe”. “Podemos fazer de Sintra uma plataforma de interesse para quem quer investir em São Tomé, ajudando […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O município de Sintra pretende ser um interlocutor do investimento português em São Tomé e Príncipe. Este compromisso foi avançado por Basílio Horta, presidente da autarquia, no recente seminário “Oportunidades de Negócios & Cooperação em São Tomé e Príncipe”.

“Podemos fazer de Sintra uma plataforma de interesse para quem quer investir em São Tomé, ajudando nos fóruns da AICEP”, afirmou o edil.

O seminário, promovido pelo gabinete municipal de apoio ao empresário, visou identificar potenciais oportunidades de negócios em São Tomé e Príncipe, mas também lançar as bases para uma missão empresarial de investidores do município programada para o 1.º trimestre de 2016.

Basílio Horta frisou ainda que o arquipélago de São Tomé e Príncipe tem uma “economia pequena, mas conseguiu ultrapassar alguns momentos mais difíceis, quando se sabe que estabilidade política vive paredes meias com atração de investimento”.

O embaixador de São Tomé e Príncipe em Portugal, Luís Guilherme Viegas, marcou presença neste evento e salientou que a “nova visão” das autoridades do seu país passa por promover os recursos naturais e “consolidar São Tomé e Príncipe como um polo de negócios no golfo da Guiné”.

OJE

Recomendadas

Fintech holandesa lança serviços financeiros para PME com Mollie Capital

As fintechs financeiras estão a olhar para pequenas e médias empresas em Portugal. Depois da Rauva, vem agora a Mollie Capital anunciar-se como “o primeiro fornecedor de serviços financeiros para PME”.

Von der Leyen quer um banco europeu do hidrogénio e vai apoiar PME (com áudio)

“O hidrogénio pode ser uma mudança de jogo para a Europa. É por isso que vamos criar um novo Banco Europeu de Hidrogénio”, revelou a presidente da Comissão europeia. Na economia, destaque para os apoios fiscais prometidos às PME; para os 140 milhões que espera tirar aos lucros das empresas de energia; e para os alertas aos Estados para reduzirem a dívida.

Evoluir pode ser a chave para ficar

Cada vez mais a aposta em ‘managers’ originários de progressão interna se torna numa decisão estratégica sólida e confiável, suportada por uma força de trabalho estável, motivada e competente.