Sírios despedem-se nas redes sociais: “Este pode ser o meu último vídeo”

Na cidade síria de Aleppo, a semana tem sido marcada pelas publicações e vídeos de vários jovens, ativistas e jornalistas nas redes sociais. No Twitter, a população síria encontra uma forma de refúgio e de denúncia dos ataques de que são alvo.

Reuters

Salah Ashkar vive na cidade síria de Aleppo e, nos últimos tempos, tem publicado vários vídeos no Twitter com descrições in loco daquilo que se vive na capital que está debaixo de fogo.

“Um míssil acabou de cair no teto do meu prédio. Agora, as pessoas que estavam à espera do autocarro têm de voltar a sua casa e procurar abrigo”, escreveu, esta manhã, depois de mais um bombardeamento.

Na segunda-feira, outra jovem síria chamada Lina Shamy publicou um vídeo que se tornou viral nas redes sociais. Shamy reside em Aleppo e quis, da mesma forma, mostrar ao mundo a realidade que assombra a cidade, marcada por tiroteios e mortes.

“A todos os que conseguem ouvir, nós estamos aqui expostos ao genocídio em Aleppo. Este pode ser o meu último vídeo”, disse.

A ativista explicou no Twitter que houve “mais de 50 mil civis que se revoltaram contra o ditador Assad estão a ser ameaçados com execuções ou a morrer em bombardeamentos”. “Cada bomba é um novo massacre”, afirmou na mesma gravação.

O jornalista Bilal Abdul Kareem faz parte daqueles que escolheram a rede social para exprimir a sua opinião. “Talvez a minha última mensagem”, redigiu o antigo funcionário da CNN. Deixando de parte as formalidades da profissão, Abdul Kareem aproveitou para emitir esclarecerimentos à comunidade islâmica:

“Rapazes vocês cometeram um erro. Tinham mesmo uma oportunidade para serem os heróis, voar para aqui com uma capa e salvar estas pobres pessoas mas estragaram tudo”, realçou.

https://twitter.com/BilalKareem/status/808354660469850112?ref_src=twsrc%5Etfw

Depois de em março deste ano ter sido obrigado a abandonar a cidade síria de Palmira, o autoproclamado Estado Islâmico recuperou a cidade classificada pela UNESCO como Património da Humanidade, depois de um fim-de-semana de intensos ataques aéreos perpetrados pela Rússia.

Um acordo para a retirada de civis e de combatentes insurgentes da cidade de Alepo foi alcançado na terça-feira com o Governo de Damasco. Horas antes, o Conselho de Segurança das Nações Unidas anunciou que iria reunir-se de urgência em resposta à situação em Alepo, após relatos de que as forças pró-sírias executaram dezenas de civis.

Recomendadas

ONU em São Tomé elogia autoridades após ataque a quartel e pede que país seja “bom aluno”

Em entrevista à Lusa, Eric Overvest declarou que o escritório da ONU em São Tomé e Príncipe acompanhou, ao longo do dia, os acontecimentos, junto das autoridades, na sequência do assalto, por quatro homens, ao quartel militar, que o primeiro-ministro, Patrice Trovoada, classificou como “tentativa de golpe de Estado”.

PremiumJoe Biden arrisca teto para o preço do petróleo russo

A decisão não conseguiu consenso na União Europeia. Moscovo adverte que pode ser o primeiro passo para uma crise petrolífera sem precedentes. Com a Ucrânia às escuras e com frio, o Kremlin acha que a NATO já está a combater a Rússia.

Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo vai liderar fundo de resgate da zona euro

Num comunicado hoje divulgado, o fundo de resgate do euro indica que “o Conselho de Governadores do Mecanismo Europeu de Estabilidade, que junta os 19 ministros das Finanças da moeda única, nomeou hoje o ex-ministro das finanças luxemburguês Pierre Gramegna para o cargo de diretor-executivo”, que ocupa a partir de 1 de dezembro.
Comentários