Sismo de magnitude 3,2 na escala de Richter registado ao largo da ilha do Faial

“De acordo com a informação disponível até ao momento, o sismo foi sentido com intensidade máxima III/IV na escala de Mercalli Modificada nas freguesias do Capelo e de Castelo Branco”, segundo o mesmo comunicado enviado às redações.

O navio “Mestre Simão”, que fazia a ligação entre Faial e Pico, nos Açores, encalhou junto ao porto da Vila, disse à Lusa o presidente da Câmara Municipal da Madalena, referindo que os passageiros estão a ser retirados, 06 de janeiro de 2018. LINO BORGES/LUSA

Um sismo de magnitude 3,2 na escala de Richter foi registado esta manhã com epicentro a cerca de 26 quilómetros a noroeste do Capelo, na ilha do Faial, nos Açores, anunciou a Proteção Civil.

De acordo com uma nota do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA), segundo o Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA), o sismo foi registado às 11:09 locais (12:09 em Lisboa) e teve “magnitude 3,2 na escala de Richter e epicentro a cerca de 26 quilómetros a noroeste do Capelo, na ilha do Faial”.

“De acordo com a informação disponível até ao momento, o sismo foi sentido com intensidade máxima III/IV na escala de Mercalli Modificada nas freguesias do Capelo e de Castelo Branco”, segundo o mesmo comunicado enviado às redações.

Ainda “na ilha do Faial, o evento foi sentido com intensidade III nas freguesias da Praia do Norte, Feteira, Matriz e Praia do Almoxarife”, de acordo com o CIVISA, acrescentando que, “no Pico, o sismo foi sentido com intensidade III na freguesia de São Roque”.

A crise sísmica, que ocorre numa zona entre os 25 e os 35 quilómetros a oeste do Faial, já provocou mais de cinco mil eventos, sendo que mais de 50 foram sentidos pela população, sete com magnitude superior a 4 na escala de Richter.

O mais intenso sismo desta crise foi registado em 18 de novembro e teve magnitude de 4,7.

Recomendadas

Músicos afegãos refugiados apresentam-se hoje ao vivo no festival Iminente em Lisboa

 Na génese deste projeto está a cooperativa cultural Largo Residências, de Lisboa, distinguida no ano passado com o prémio da Acesso Cultura na categoria de Acessibilidade Social.

Portugal está na frente na diretiva sobre plásticos de uso único

“Portugal está no pelotão da frente porque já transpôs grande parte” da diretiva e propôs até medidas bastante ambiciosas, por exemplo, em termos de redução de copos de bebidas e embalagens de plástico para ´take away´ (redução de 80% até final de 2026 e de 90% até 2030, tendo por referência os valores de 2022), diz o comunicado da Zero.
Comentários