Sistema financeiro responde ao desafio da transição climática

1. Qual a importância do sistema financeiro e dos bancos em particular para fomentar a transição climática?

  1. O Millennium bcp já assumiu perante a sociedade portuguesa que seria protagonista no processo de transição energética e que o faria através de alterações à sua política de crédito, do desenvolvimento de capacidades de assessoria aos clientes, mas também, porque sabemos a importância do exemplo, de alterações às suas práticas e atuações. Temos uma oportunidade única para acelerar o processo de descarbonização e mitigar os impactos das alterações climáticas. Não podemos, como sociedade, ignorar ou abdicar deste esforço, e seguramente as gerações futuras não nos vão perdoar se não nos empenhamos agora. O Millennium tem um papel importante nesta evolução, que estamos a assumir na inovação e disponibilização de soluções e produtos aos Clientes, contribuindo proactivamente para o conhecimento dos riscos específicos e de transição e, dessa forma, desempenhando uma função relevante no combate às alterações climáticas e na melhoria da qualidade de vida das pessoas. E porque sabemos a importância do exemplo, estamos igualmente empenhados em alterar as nossas práticas e atuações. A utilização apenas de eletricidade 100% verde, em todas as sucursais e edifícios do Banco em Portugal desde 2021, e a mais recente decisão de desligar os letreiros iluminados nas sucursais, sinalizam bem a importância que damos aos aspetos relacionados com estes temas ESG (Environmental, Social and Governance).
Recomendadas

Alteração da proposta de OE para 2023 em sede de tributação de criptoativos (IRS): algumas notas

Em termos globais, tudo indica que passamos de uma proposta altamente abrangente para uma proposta altamente competitiva que parece apresentar as condições necessárias para manter Portugal na lista de países considerados ‘crypto-friendly’.

2023: O Novo Paradigma Laboral em Portugal como Oportunidade ou Desafio?

É importante ter a coragem de mudar a forma como vemos o paradigma laboral em Portugal, que historicamente passou por uma política baseada em competitividade por via dos baixos salários.

Sobre a tributação de lucros excessivos das empresas energéticas

Seria importante não ver a CST Energia como um incentivo para o fim da refinação de petróleo. As refinarias não produzem só combustíveis, são fonte de numerosos produtos utilizados por outras indústrias, e para os quais não existem soluções alternativas.
Comentários