“Situação extremamente tensa”: Embaixador norte-americano abandona Rússia temporariamente

A saída de Sullivan acontece depois de o governo Biden ter expulsado, na semana passada, 10 diplomatas russos.

4 – Estados Unidos

O embaixador de Washington em Moscovo anunciou, esta terça-feira, que vai regressar aos Estados Unidos, dias depois de o governo russo ter recomendado que John Sullivan deixasse o país durante o que disse ser uma “situação extremamente tensa”.

“Acredito ser importante falar diretamente com os meus novos colegas do governo Biden em Washington sobre o atual estado das relações bilaterais entre os Estados Unidos e a Rússia”, explicou Sullivan em comunicado.

Sullivan acrescentou que não vê a “família há mais de um ano, e esse é outro motivo importante para voltar para casa, para uma visita. Voltarei a Moscovo nas próximas semanas, antes de qualquer reunião entre os presidentes Biden e Putin”.

Biden e Putin discutiram um possível encontro na semana passada, mas o Kremlin garantiu que iria demorar algum tempo para que o encontro aconteça e seria “impossível” realizá-lo nas próximas semanas.

Ontem, o ministro dos Negócios Estrangeiros dos EUA, Josep Borrel, já tinha falado sobre a degradação da relação entre os dois países. “No geral, as relações com a Rússia não estão a melhorar. Pelo contrário, as tensões estão a aumentar em várias áreas”, frisou.

A saída de Sullivan acontece depois de o governo Biden ter expulsado, na semana passada, dez diplomatas russos e ter anunciado sanções abrangentes contra a Rússia pela suposta interferência nas eleições.

Em resposta, a Rússia expulsou dez diplomatas dos EUA e atacou as operações da embaixada dos EUA, recomendando igualmente que o embaixador deixasse o país.

“É óbvio que a situação extremamente tensa atualmente implica uma necessidade objetiva de os embaixadores de ambos os nossos países estarem em suas capitais para analisar a situação”, apontou o Kremlin.

Relacionadas

Tensões entre UE e Rússia “estão a aumentar” devido a Navalny e Ucrânia, diz chefe da diplomacia europeia

O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, considerou esta sexta-feira que as tensões entre a União Europeia e a Rússia “estão a aumentar” devido ao estado de saúde de Alexei Navalny e da situação “perigosa” na fronteira com a Ucrânia.
Recomendadas

ONU em São Tomé elogia autoridades após ataque a quartel e pede que país seja “bom aluno”

Em entrevista à Lusa, Eric Overvest declarou que o escritório da ONU em São Tomé e Príncipe acompanhou, ao longo do dia, os acontecimentos, junto das autoridades, na sequência do assalto, por quatro homens, ao quartel militar, que o primeiro-ministro, Patrice Trovoada, classificou como “tentativa de golpe de Estado”.

PremiumJoe Biden arrisca teto para o preço do petróleo russo

A decisão não conseguiu consenso na União Europeia. Moscovo adverte que pode ser o primeiro passo para uma crise petrolífera sem precedentes. Com a Ucrânia às escuras e com frio, o Kremlin acha que a NATO já está a combater a Rússia.

Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo vai liderar fundo de resgate da zona euro

Num comunicado hoje divulgado, o fundo de resgate do euro indica que “o Conselho de Governadores do Mecanismo Europeu de Estabilidade, que junta os 19 ministros das Finanças da moeda única, nomeou hoje o ex-ministro das finanças luxemburguês Pierre Gramegna para o cargo de diretor-executivo”, que ocupa a partir de 1 de dezembro.
Comentários