Siza Vieira: “As empresas têm de enfrentar o desafio da transição digital”

O ministro da Economia defendeu que a transformação passará necessariamente por compreender como as alterações se refletem na forma “como nos relacionamos com os clientes, com os fornecedores, como comunicamos com os parceiros de negócios”. 

O ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, disse esta terça-feira que os próximos anos serão de mudanças, às quais as empresas terão de se adaptar, necessitando de investir nos processos de transformação.

“Os próximos anos vão ser de mudança rápida. As empresas têm de enfrentar o desafio da transição digital”, disse num discurso no Congresso “Portugal: crescimento ou estagnação? A resposta está nas empresas”, organizado pela CIP – Confederação Empresarial de Portugal, no Estoril.

O ministro da Economia salientou que a transformação passará necessariamente por compreender como estas alterações se refletem na forma “como nos relacionamos com os clientes, com os fornecedores, como comunicamos com os parceiros de negócios”.

“Temos que enfrentar decididamente o desafio da economia circular e descarbonização. Todos os desafios vão impor às empresas fazerem investimentos significativos nos seus processos. São investimentos importantes num país que ainda carece de capital”, disse.

“Num país que sabe hoje que está mais dependente dos mercados externos e que há incertezas políticas que afetam perspetiva de negócio e que vão contraindo algumas decisões de investimento. Mas sabemos todos que se não fizermos os investimentos que a realidade nos exige, não vamos conseguir”.

Siza Vieira destacou ainda que o mundo do trabalho está a mudar, exigindo “uma grande colaboração com o mundo do trabalho, com as autoridades públicas” e de formatar os modelos corporativos, apelando a que as empresas “não se acanhem com as incertezas que possam surgir no mercado”.

Recomendadas

Exclusivo: Bónus milionário da CEO da TAP não é válido

O contrato assinado entre a TAP e a gestora francesa Christine Ourmières-Widener prevê um bónus que pode chegar a três milhões de euros no prazo de cinco anos, revela o documento, a que o Jornal Económico teve acesso. No entanto, o contrato não será válido, uma vez que uma das suas cláusulas prevêem que teria de ser aprovado pela Assembleia Geral da TAP SGPS, algo que nunca chegou a acontecer.

Pampilhosa da Serra assina novo contrato para assegurar transporte de passageiros

O município da Pampilhosa da Serra, no interior do distrito de Coimbra, vai pagar mensalmente mais de 15 mil euros a uma empresa para assegurar o serviço de transporte público de passageiros nas linhas que funcionam atualmente.

Martifer com contrato de 68 milhões para fazer viadutos ferroviários em Birmingham

“O fabrico da estrutura metálica será realizado maioritariamente no pólo industrial do grupo Martifer, em Oliveira de Frades, permitindo reforçar a vertente exportadora do grupo Martifer, que atualmente representa mais de 85 % do volume de negócios do segmento de estrutura metálica em Portugal”, refere a empresa.
Comentários