SL Benfica esgota venda de lugares corporate no Estádio da Luz

Explica o clube em comunicado que esta meta “nunca tinha sido atingida tão cedo numa temporada” e que foram vendidos os seguintes lugares: 2.906 lugares de empresas, 1.713 lugares de camarote (correspondentes a 126 camarotes) e 1193 execute seats.

Lusa

O SL Benfica anunciou esta quinta-feira que a venda de lugares e camarotes de empresa no Estádio da Luz esgotaram esta semana. Explica o clube em comunicado que esta meta “nunca tinha sido atingida tão cedo numa temporada” e que foram vendidos os seguintes lugares: 2.906 lugares de empresas, 1.713 lugares de camarote (correspondentes a 126 camarotes) e 1193 execute seats.

Vasco Ribas, head of business to business do SL Benfica, explicou em comunicado que “a resposta do mercado empresarial – com mais de 470 empresas a aderirem – tem sido muito positiva, um claro sinal de que olham para a presença no Estádio do SL Benfica como uma ferramenta relacional, não apenas para com os seus clientes e parceiros, mas também como incentivo aos seus recursos humanos”.

“Naturalmente que atingirmos esta meta de forma tão preliminar deriva da qualidade do serviço prestado, mas também do bom momento desportivo da equipa de futebol, expresso num excelente arranque de época onde se inclui a presença na Liga dos Campeões”, realçou este responsável do SL Benfica.

O clube da Luz aproveitou para anunciar que já foi lançada uma lista de espera para próxima temporada.

Recomendadas

Sergio Pérez vence GP de Singapura de Fórmula 1

O piloto mexicano, da Red Bull, adiou a conquista do título por parte do companheiro de equipa, Max Verstappen, que foi sétimo.

Miguel Oliveira vence GP da Tailândia

O piloto português, da KTM, venceu este domingo o Grande Prémio da Tailândia de MotoGP, 17.ª de 20 provas da temporada. O francês Fabio Quartararo, da Yamaha, mantém a liderança do campeonato.

Grupo de direitos das mulheres apela à FIFA que exclua Irão do Campeonato do Mundo

“Por que a FIFA daria ao Estado iraniano e aos seus representantes um palco global, enquanto não apenas se recusa a respeitar os direitos humanos e dignidades básicos, mas atualmente está a torturar e matar o seu próprio povo?”, questionam na carta enviada ao representante do organismo.
Comentários