Smartphones chineses em contraciclo com mercado mundial

Maior implementação de smartphones chineses coloca em cheque empresas tradicionais como a Samsung, defende a Standard & Poor´s.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O mercado mundial dos smartphones está a desacelerar. De acordo com a Standard & Poor’s, o crescimento de 2015 foi de 10%, em comparação com o incremento de 30% no mesmo período de 2014.

Tal como salientou um dos autores do estudo agora divulgado, a principal causa desta desaceleração é a economia chinesa. A China é o país onde se vendem mais smartphones em todo o mundo. Além disso, o mercado de smartphones começou a consolidar-se há pouco tempo, pelo que os consumidores estariam agora a começar a renovar os equipamentos comprados como primeiro smartphone.

De acordo com o estudo, a crise não afeta apenas o mercado chinês. A recessão da economia asiática tem repercussões também nos EUA e Europa Ocidental, enquanto que em outros países como a Índia, Médio Oriente e África espera-se uma “maior procura” nos próximos dois anos.

Por empresas, Xiaomi ou Huawei começam a ganhar terreno a empresas como a Samsung, que em 2012 era a segunda marca mais vendida na China e agora ocupa o quarto lugar atrás da Xiaomi, Huawei e Apple.

No resto do mundo, a Huawei e Xiaomi superaram as vendas de empresas como a LG ou a Sony e continuam no encalce da Samsung e Apple.

O estudo revela que o principal motivo pelo qual estas empresas chinesas começam a superar os seus rivais é o preço. Os terminais que comercializam são mais baratos e têm características similares aos da concorrência.

De acordo com outro dos autores do estudo, a Apple é a única que se mantém “extremamente forte” no mercado graças à lealdade que existe à marca.

Em 2014, venderam-se mais de 1.300 milhões de smartwatches em todo o mundo, mais 300 milhões do que em 2013, dos quais 40% foram fabricados na China, país que comprou no ano passado cerca de 30% do total mundial.

OJE

Recomendadas

Sete bancos lucraram dois mil milhões até setembro, mais 71% que no período homólogo

Os lucros dos sete maiores bancos – Caixa Geral de Depósitos, BCP, Novobanco, Santander Totta, BPI, Crédito Agrícola e Banco Montepio somam 2.006,3 milhões de euros até setembro deste ano, o que compara com um valor de 1.172 milhões nos nove meses do ano passado. O que significa que os lucros dos sete bancos cresceram 71,2%.

Violência doméstica. APAV junta-se à hamburgueria A-100 em ação de sensibilização

A hamburgueria compromete-se a doar à APAV um euro por cada sobremesa vendida esta sexta-feira e vai iniciar uma angariação de fundos na sua página de Instagram até ao final do ano, com o dinheiro a reverter a favor da associação.

PremiumGoverno acusado de favorecer vencedores dos leilões de energia solar

Governo aprovou medidas para os projetos obterem financiamento e saírem do papel, mas vários promotores consideram medida injusta para o restante sector. Tutela fala de “circunstâncias imprevisíveis” como a Covid e a guerra.