SMN: CGTP leva proposta de aumento para 600 euros para a reunião de concertação social

Para a CGTP, urge aumentar o salário mínimo nacional (SMN) para 600 euros já a partir de 1 de janeiro de 2018.

A CGTP – Intersindical vai levar o aumento do salário mínimo nacional (SMN) para os 600 euros a partir de 1 de janeiro de 2018 à reunião de concertação social que vai ter lugar amanhã, e define esta pretensão por “razões de justiça social, o estimulo que pode dar à subida dos salários em geral, a uma mais justa distribuição da riqueza e à dinamização da economia”, define a CGTP em comunicado.

Para a CGTP, “está provado que a actualização do SMN deu um contributo para a evolução da economia, a criação de mais emprego e a redução do desemprego”, pelo que a “proposta de 1,45 € diários reivindicada pela CGTP-IN é susceptível de ser concretizada pelas empresas, independentemente da sua dimensão. Não há nenhuma razão objectiva para que esta proposta não seja viabilizada”.

Para a CGTP, “qualquer tipo de discussão sobre o Fundo de Compensação do Trabalho justifica e exige a revogação da legislação actual relativa aos despedimentos e indemnizações e a reposição da anterior”.

Recomendadas

OE2023. Maioria dos empresários defende mexidas no IRS

Inquérito da consultora EY conclui que mais de 90% dos empresários defende alterações no IRS para mitigar efeitos da inflação – essencial para suportar o consumo privado. Empresas continuam a dar nota negativa ao sistema fiscal português e face à crise energética sinalizam como medidas prioritárias a descida do IRC e do IVA sobre todos os escalões de consumo de eletricidade consideradas.

OE2023: Conselho de Ministros extraordinário discute documento na terça-feira

O Governo discute em Conselho de Ministros extraordinário na terça-feira a proposta de Orçamento do Estado para 2023, numa reunião que marca o começo do processo de aprovação do documento, que é entregue ao parlamento na segunda-feira.

Mercado Automóvel em Portugal cai 34,7% até setembro

Apesar do mercado automóvel ter caído entre janeiro e setembro, foram matriculados mais 12,8% automóveis no mês passado do que em período homólogo de 2021.
Comentários