Snapchat prepara oferta pública de venda

A rede social muito popular nas camadas mais jovens já contratou os serviços do Morgan Stanley e Goldman Sachs para liderar a operação. O mercado estima uma capitalização bolsista de cerca de 22 milhões de euros.

A Snapchat contratou os bancos Morgan Stanley e Goldman Sachs para liderar a oferta pública de venda (OPV), que poderá ocorrer em março do próximo ano, informa o Financial Times. A empresa espera conseguir entre 20 a 25 mil milhões de dólares.

Os bancos JPMorgan Chase, Deutsche Bank, Allen & Co., Barclays e Credit Suisse Group também estarão envolvidos na OPV, noticia o Globo.

O Snapchat, que é uma rede social de partilha de vídeos e fotos, abreviou recentemente o seu nome para Snap, e tem mais de 150 milhões de utilizadores ativos, e está regularmente no top 20 da loja de aplicações do iOS e no top 10 da Play Store. Com mais de 10 mil milhões de vídeos reproduzidos por dia, o modelo da partilha de conteúdos curtos que desaparecem depois ao fim de 24 horas, bem como todos os instrumentos de fotografia que a aplicação contém, tornaram-na muito popular junto das camadas mais jovens.

A start-up liderada por Evan Spiegel espera estar a negociar em bolsa, em março do próximo ano. A concretizar-se este plano, esta será a maior OPV no mercado bolsista norte-americano desde 2013, ano em que a Twitter entrou na New York Stock Exchange a valer 18 mil milhões de dólares.

A rede social apresenta, neste momento, uma avaliação de cerca de 15 mil milhões de dólares, fruto da sua última ronda de financiamento que contou com os investimentos da Sequoia Capital, da General Atlantic e da T Rowe Price.

Recomendadas

Bosch Industry Consulting abre escritório em Espanha

As operações da Bosch Industry Consulting em Espanha irão beneficiar da existência do centro de competências da Bosch em Aveiro.

EDP Brasil emite papel comercial no valor de 292 milhões de euros para amortizar dívida ao BNDES

O objetivo da emissão é realizar o pagamento antecipado da dívida com o Banco Nacional de Desenvolvimento Económico e Social – BNDES, no montante aproximado de 470 milhões de reais e distribuir o restante ao acionista, diz a empresa.

Lusíadas Saúde desliga iluminação externa de todos os hospitais e clínicas a partir de 1 de outubro

Esta ação vai implicar desligar a sinalética externa de todos os edifícios, designadamente a iluminação de carater informativo ou decorativo das fachadas dos edifícios pertencentes ao Grupo, tais como lonas e estandartes publicitários, bem como a iluminação de jardins.
Comentários