SNQTB e SIB querem subida salarial de 5,5%. Bancos estão contra

Os dois sindicatos avançam com uma proposta de aumento de 5,5% para a tabela salarial, pensões de reforma, de sobrevivência e cláusulas de expressão pecuniária e ainda com “o aumento para o subsídio de refeição para o valor de 11 euros/dia”.

O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB) e o Sindicato Independente da Banca (SIB) avançam com contraproposta ao aumento salarial avançado pela banca e dizem em comunicado que “é inqualificável que o empobrecimento da classe bancária seja imposto de forma brutal, através de uma proposta dos Bancos de revisão do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), muito abaixo da inflação e do exponencial aumento do custo de vida”.

“Apesar de claramente desajustada e desfasada da realidade, a proposta do grupo negociador mantém um aumento insuficiente de 1,1%, isto quando a taxa de inflação atual é de 9,3%, os produtos alimentares aumentaram mais de 15% e os produtos energéticos subiram mais de 24%”, referem os dois sindicatos que contrapõem com uma proposta de aumento de 5,5% para a tabela salarial, pensões de reforma, de sobrevivência e cláusulas de expressão pecuniária e ainda com “o aumento para o subsídio de refeição para o valor de 11 euros/dia”.

Os sindicatos consideram que esta proposta se revela”ponderada e equilibrada face aos valores da inflação, mas também dos resultados históricos que os bancos apresentam em 2022″.

No dia 15 de setembro realizou-se a segunda reunião com o Grupo Negociador das Instituições de Crédito (GNIC) relativa à revisão do ACT do sector bancário para 2022, “sob o olhar atento de vários dos representantes dos bancos que fazem parte da Associação Portuguesa de Bancos, sendo que o GNIC manteve a sua total inflexibilidade quanto à melhoria da sua proposta minimalista inicial em relação à atualização da tabela salarial, pensões de reforma, sobrevivência e demais cláusulas de expressão pecuniária para o ano de 2022”.

“O SNQTB e o SBI reforçam, por isso, a ideia de que nesta circunstâncias, os bancos continuarem a alegar que já assinaram um acordo com outros sindicatos é impor um fortíssimo empobrecimento a toda uma classe profissional que muito tem contribuído para os resultados excelentes das entidades patronais”, dizem no comunicado.

Os dois sindicatos garantem que “continuam a reputar como inqualificável que o empobrecimento da classe bancária seja imposto desta forma brutal, com a complacência dos outros sindicatos, ignorando a realidade, que, a cada dia, confirma a razão da proposta do SNQTB e do SIB”.

Recomendadas

Produção das seguradoras cresceu 38% para 12,4 mil milhões em 2021

A entidade liderada por Margarida Corrêa de Aguiar anunciou que a produção global de seguro direto das empresas de seguros revelou uma recuperação de 38% durante o exercício de 2021, para 12,4 mil milhões de euros, invertendo a tendência negativa a que se assistiu nos dois anos anteriores.

Taxa de juro média dos novos empréstimos à habitação ultrapassa os 2% pela primeira vez desde maio de 2016

Em agosto, os bancos concederam 1.855 milhões de euros de novos empréstimos aos particulares, menos 111 milhões do que em julho, sendo 1.205 milhões de euros de crédito à habitação. Já o montante de novos empréstimos às empresas foi de 1.297 milhões de euros, menos 173 milhões do que no mês anterior.

Mark Bourke prevê subir o rácio de capital do Novobanco em cerca de 1% só com os lucros deste ano

“O nosso plano é o Novobanco ser independente e competitivo”, disse o CEO. Sobre se a Lone Star estava a negociar já com potenciais compradores numa venda futura do Novobanco, Mark Bourke respondeu “absolutamente que não”.
Comentários