SNS quer contratar 349 médicos “com urgência”

Contratação visa colmatar “com a maior brevidade possível, as necessidades mais prioritárias dos serviços e estabelecimentos”.

O Ministério da Saúde abriu um concurso público para contratar 349 médicos para ocuparem vagas de norte a sul do país. Trata-se de uma “contratação urgente”, com candidaturas abertas até dia 2 de janeiro.

O anúncio da abertura do concurso foi publicado esta segunda-feira em Diário da República e tem como objetivo de colmatar “com a maior brevidade possível, as necessidades mais prioritárias dos serviços e estabelecimentos”.

Medicina Interna é a especialidade com mais vagas a concurso (45), seguida da Pediatria Médica (41), Anestesiologia (24), Cirurgia Geral (16), Psiquiatria (18) e Ginecologia/obstetrícia (15).

No total são 349 lugares a concurso, 46 dos quais destinados ao Centro Hospitalar do Algarve, que integra os hospitais de Faro, Portimão e Lagos e os serviços de urgência básica de Loulé, Albufeira e Vila Real de Santo António. A semana passada, a falta de médicos do Centro Hospitalar do Algarve e a falta de condições de trabalho estiveram na base do pedido de demissão apresentado por cinco profissionais.

Recomendadas

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.

Governo recupera proposta para aumentar valor das horas extraordinárias

Em nove páginas, o Governo apresenta mais de 20 propostas aos parceiros sociais, no âmbito do acordo de rendimentos. Quer reforçar as horas extra, valorizar salários, simplificar as obrigações e baixar o IRC, mas não de modo transversal, como defendeu o ministro da Economia.
Comentários