SNS24 bate recorde de chamadas na segunda-feira. Governo prepara reforço de profissionais

Ao “Público”, o Governo informa que vão ser formados e contratados 750 novos profissionais “até ao final da segunda semana de janeiro” para dar resposta ao incremento de chamadas para a linha do SNS24.

O centro de contacto do Serviço Nacional de Saúde (linha SNS24) registou, esta segunda-feira, 27 de dezembro, um novo recorde de chamadas atendidas. De acordo com a notícia avançada pelo “Público“, esta quarta-feira, foram mais de 72 mil chamadas.

Neste sentido, e para reforçar a linha (808 24 24 24) que tem estado incapaz de dar resposta a todos os utentes, os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) adiantam que, em articulação com a Direcção-Geral da Saúde (DGS) e a operadora, a Altice Portugal, vão ser formados e contratados 750 novos profissionais “até ao final da segunda semana de Janeiro”, um aumento de 15% face ao número atual.

Segundo o jornal, são cerca de cinco mil profissionais que estão agora a triar as chamadas e a orientar e a encaminhar as pessoas. Em simultâneo, dizem que estão a melhorar as “soluções de atendimento automatizado”.

Relacionadas

Saúde 24 terá hoje novo algoritmo que permitirá maior atendimento, garante Temido

No entanto, advertiu, com o número crescente de novos casos de covid-19, “as melhorias, provavelmente, vão sentir-se muito ligeiramente”.
Recomendadas

Covid-19: “Casa aberta” disponível para vacinação de pessoas acima dos 60 anos

As pessoas com 60 ou mais anos podem, a partir de hoje, tomar a dose de reforço da vacina contra a covid-19 e a vacina da gripe na modalidade de “casa aberta”.

Maior cidade do sul da China volta a ser palco de confrontos violentos (com áudio)

Os vídeos mostram manifestantes a arremessar garrafas de vidro e barras metálicas contra as forças de segurança, que surgem a marchar em fileiras, protegidos por escudos antimotim transparentes.

Covid-19: Principal órgão de segurança da China quer “repressão” das “forças hostis”

O principal órgão de segurança da China apelou hoje à “repressão” das “forças hostis”, após os protestos dos últimos dias nas principais cidades chinesas contra as restrições sanitárias e limitações das liberdades individuais.
Comentários