PremiumSó entre contratos a termo já saíram da TAP 1.463 trabalhadores

Até ao final de novembro saíram da TAP perto de 1.500 trabalhadores com contratos a termo. Adicionados aos 2.000 do quadro que o Plano de Restruturação quer reduzir, chegarão aos 3.500.

A não renovação de contratos a termo na TAP visou 1.463 trabalhadores até 30 de novembro, segundo informação prestada ao Jornal Económico (JE) por fontes conhecedoras da empresa e do Plano de Restruturação apresentado a 10 de dezembro à Comissão Europeia, sendo o número de saídas um dos fatores que mais contribuíram para reduzir os custos da folha salarial do Grupo TAP, fundamental para ajustar uma menor dimensão da empresa aos apoios estatais que obterá até ao final do ano – os 1,2 mil milhões de euros. Somados aos 2.000 trabalhadores do quadro que vão sair do Grupo TAP, segundo o Plano de Restruturação, o número total de saídas chegará aos 3.500 trabalhadores.

Grosso modo, terá de ajustar os seus custos à redução previsível de receitas “de 60% em 2021 e 40% em 2022, e a uma quebra de operação de 50% em 2021 e de 30% em 2022”, sendo os níveis de 2019 “só recuperados em 2025, mesmo com a vacina a começar a ser ministrada no início de 2021”, referem as fontes comentando a informação constante no Plano de Restruturação.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Costa espera privatização da TAP em 12 meses. Admite que Estado possa perder dinheiro

O primeiro-ministro disse hoje esperar que a privatização da TAP ocorra nos próximos doze meses, afirmando que “só se fosse irresponsável” é que garantiria que o Estado não irá perder dinheiro na transação, mas “espera que não”.

Fitch melhora perspetiva do rating do BCP

A mudança de perspectiva para o rating do BCP reflete, em parte, uma maior clareza em torno do provisionamento necessário para cobrir os riscos legais do Bank Millennium com empréstimos hipotecários denominados em francos suíços, na Polónia.

AHRESP propõe 25 medidas para o OE 2023 para reduzir impacto da inflação

O cenário do próximo ano é “muito pessimista para o tecido empresarial”, pelo que são necessárias medidas de apoio às empresas e famílias, de acordo com a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal
Comentários