Só maus sinais

Quando se pretende detetar as grandes tendências, não é necessário adivinhar. Basta ler.

Temos andado mais entretidos com a telenovela de Downing Street do que com o que realmente interessa. Percebe-se a histórica proximidade britânica e o interesse pela sucessão de primeiros-ministros do Reino Unido. E até se compreende que a riqueza de Rishi Sunak, na verdade a da sua esposa, possa suscitar voyeurismo disfarçado de curiosidade. O que não se entende é a ligeireza com que se olha para o que se passou em Pequim e que, provavelmente, irá marcar a História contemporânea.

Quando se pretende detetar as grandes tendências, não é necessário adivinhar. Basta ler. E no caso da China isso tem sido evidente. Podemos (e devemos) criticar China em muitas coisas, mas há que admitir que comunica de forma eficaz e verdadeira. Os planos quinquenais das últimas décadas têm sido um roadmap rigoroso das prioridades e estratégias para o país.

Do congresso do partido comunista chinês só vieram maus sinais. A inédita concentração de poder em Xi Jinping era esperada, mas talvez o otimismo nos impedisse de admitir a mudança – a China passou a ser uma ditadura com um nome. Pequim clarificou que quer a independência tecnológica, o que permitirá regular a sociedade e ditar as normas dentro e fora da China, inclusivamente na defesa.

A aparente abertura chinesa das últimas décadas, que nos cativou pelo comércio, parece ter deixado de ser uma prioridade. O regime será mais fechado e opressor. Xi anunciou que o mundo já não é multipolar, mas que EUA e China disputarão a hegemonia global. E nada como ver o vídeo da expulsão de Hu Jintao do congresso. Naquela cena, quase cinematográfica, tudo é revelador. Desde as máscaras que só existem a partir da segunda fila, à expressão esfíngica dos senhores que estão à frente perante a humilhação pública do anterior Grande Líder. Tudo ali tresanda a medo.

Recomendadas

PremiumPedido do registo da OPA à Boavista aguarda depósito da contrapartida

Empresário espanhol-luxemburguês Gérard Lopez está a reunir os últimos documentos essenciais para apresentar à CMVM o pedido de registo de oferta. Processo deverá ficar concluído dentro de dias.

Tesla dispara na bolsa depois de resultados recorde de 2022

Ao fecho das negociações em Wall Street, cada ação da Tesla estava avaliada em 177,90 dólares, mais 17,63 dólares do que no dia anterior. Isso fez com que a empresa encerrasse a semana numa valorização de 33% face à semana anterior

Wall Street volta a fechar no verde e Nasdaq soma quarta semana seguida de ganhos

Apesar de subidas tímidas, os três principais índices de Nova Iorque fecharam em alta, colocando-se em rota para um mês de ganhos. O sector tecnológico continuou a somar ganhos antes de uma semana de muitos resultados trimestrais, impulsionando o Nasdaq depois de mais dados otimistas da inflação.
Comentários