Só o Dow Jones fechou em alta. Petróleo disparou

Otismismo dos investidores em torno das negociações comerciais desvaneceu e só o Dow Jones encerrou em terreno positivo. Petróleo disparou.

Brendan McDermid/Reuters

Na penúltima sessão da bolsa de Nova Iorque, apenas o índice industrial Dow Jones teve um desempenho positivo, ao valorizar 0,29% para 24.597,38 pontos, ainda que tenha perdido a maior parte dos seus ganhos à medida que o otimismo dos investidores em relação às negociações comerciais entre os EUA e a China foi diminuindo. O tecnológico Nasdaq perdeu 0,39% para 7.070,336 pontos  pontos e o S&P500 registou uma ligeira quebra de 0,02%, para 2.650,54 pontos.

O ânimo dos investidores perdeu fulgor mesmo que a China tenha anunciado que receberia uma delegação norte-americana de bom grado, numa altura em que o governo chinês anunciou que quer abrir o mercado interno a empresas estrangeiras.

No âmbito da guerra comercial, a China parece estar empenhada em implementar o acordo comercial com os EUA, ao importar até 2 milhões de toneladas de soja dos Estados Unidos, destacou o analista do BCP, Ramiro Loureiro.

A Procter & Gambler (+2,61%), a Caterpillar (+1,09%), a McDonald’s (1,55%) e Exxon (1,24%) contribuíram para o suporte do Dow Jones em terreno positivo. Já a Nike perdeu quase 2%.

O índice Russell de empresas de pequena capitalização caiu 1,55% .

Nas matérias-primas, o preço do petróleo disparou. O Brent subiu 2,56% para 61,69 dólares e o West Texas Intermediate ganhou 3,32% para 52,85 dólares. No fecho da sessão, os investidores reagiram à diminuição das reservas do “ouro negro” nos EUA. Segundo a Administração de Informação de Energia norte-americana, as reservas de petróleo caíram 1,2 milhões de barris na semana que acabou em 7 de dezembro.

Recomendadas

Topo da Agenda: O que não pode perder nos mercados e na economia esta sexta-feira

Com a confirmação de um segundo trimestre de crescimento negativo, a Reserva Federal olhará atentamente para os dados do mercado laboral, onde continua a destacar a força e rigidez observada para argumentar contra um cenário de recessão real. Caso os dados de setembro voltem a surpreender pela positiva, como em agosto, e a inflação continue a dar sinais de não abrandar, a possibilidade de subidas ainda mais expressivas do que 75 p.b. deverá ganhar força.

Wall Street fecha com perdas à espera de novos dados do emprego norte-americano

Os três principais índices encerraram as negociações a encarnado. O Twitter ainda arrancou a sessão a subir, mas as ações da rede social acabaram por desvalorizar mais de 3% na sequência de Elon Musk, dono da Tesla que quer comprar a empresa, ter perdido os parceiros de investimento (Apollo Global Management e Sixth Street Partners) no negócio.

Diretora do FMI avisa que situação económica “ainda vai piorar antes de melhorar”

“A incerteza é muito elevada”, referiu Kristalina Georgieva, destacando os efeitos da guerra, apontando que pandemia que “ainda não desapareceu” e acrescentando também que “os riscos em torno da estabilidade financeira estão a crescer”.
Comentários