Só oito países da Europa baixaram a carga fiscal. Portugal foi um deles

Os impostos e as contribuições pagas à Segurança Social em Portugal representaram no ano passado 37% do Produto Interno Bruto (PIB), segundo dados revelados hoje pelo Eurostat. Trata-se de uma descida ligeira face ao ano anterior, quando este indicador atingiu 37,1%.

Os impostos sobre a produção e importações, com destaque para o IVA, são os que mais peso têm, representando 14,6% do PIB. Seguem-se as contribuições sociais (11%) e os impostos sobre rendimentos (10,8%).

Portugal foi um dos oito países da Europa onde o peso dos impostos diminuiu e o rácio nacional de receitas fiscais e os descontos sobre o PIB ficou novamente abaixo da média europeia.

Este indicador atingiu em 40% no conjunto da União Europeia, um valor semelhante ao ano anterior. Na Zona Euro, o peso dos impostos e das contribuições atingiu 41,4% do PIB, ligeiramente abaixo dos 41,5% em 2014. Na Europa, foi a primeira vez desde 2010 que não houve aumento.

Segundo o Eurostat, o rácio impostos / PIB “varia significativamente” entre os Estados-membros. Os países com valores mais elevados são a França (47,9%), a Dinamarca (47,6%) e a Bélgica (47,5%). No extremo oposto, a Irlanda aparece com 24,4%, a Roménia com 28%, e a Bulgária com 29%.

Recomendadas

OE2023: Margem orçamental para função pública está esgotada

Na primeira reunião, realizada na segunda-feira, o Governo indicou que a valorização da administração pública iria custar 1.200 milhões de euros, incluindo aumentos salariais, progressões e promoções e a revisão da tabela remuneratória.

PremiumBdP revê inflação em alta, mas pico já deverá ter passado

Banco central projeta taxa de 7,8%, a mais elevada desde 1993 nos preços, levando a perdas reais nos salários, que crescem a uma taxa mais baixa. Juros em alta não devem criar terramoto na dívida.

PremiumSalário mínimo da Função Pública vai subir 57 euros

A base remuneratória da Administração Pública vai subir 8% em janeiro, o que significa que esses trabalhadores não perderão poder de compra. Já a maioria dos demais funcionários públicos vai ter aumentos abaixo da inflação.
Comentários