Só um quarto dos militantes do PSD estão em condições para eleger próximo líder do partido

Esta sexta-feira termina o prazo para os militantes regularizarem as suas quotas e os candidatos estão confiantes de que este último dia será o de maior afluência ao pagamento de quotas.

A corrida ao pagamento de quotas entre militantes do Partido Social Democrata (PSD), a menos de um mês das eleições diretas, já levou mais de 13 mil militantes a regularizarem as suas contas. Até agora cerca de 40 mil pessoas estão aptas para escolher entre o ex-autarca do Porto, Rui Rio, e o antigo provedor da Santa Casa, Pedro Santana Lopes, avança o ‘Jornal de Notícias’.

Esta sexta-feira termina o prazo para os militantes regularizarem as suas quotas e os candidatos estão confiantes de que este último dia será o de maior afluência. A regularização das quotas é sobretudo notória nos distritos mais a norte. Só no Porto, mais de três mil pessoas puseram em dia as suas contas e, em Aveiro, o universo de militantes com as cotas regularizadas subiu de 2.360 para 4.735.

Também em Vila Real a tendência foi semelhante, com o número de votantes a subir de 1.014 para os 2.006. Já no Sul, a mobilização é quase impercetível.

Ao todo, os 40 mil militantes do PSD em condições de votar representam apenas um universo de 22,5%, o que significa que o próximo líder dos sociais-democratas será eleito por menos de um quarto dos militantes do partido.

Relacionadas

PSD sobre a inspeção à Raríssimas: “Porquê só agora?”

O PSD acusou hoje o Governo de ter falhado na função de fiscalização no caso da Raríssimas e exigiu conhecer os resultados de uma auditoria que o PS disse ter sido iniciada nesta instituição em 31 de julho.

Salário de 21 mil euros anuais de Rui Rio gera controvérsia na Ordem dos Contabilistas Certificados

O adversário de Pedro Santana Lopes à liderança do PSD só marcou presença em três reuniões entre 2016 e 2017. o Jornal Económico tentou obter uma reação oficial da Ordem dos Contabilistas, mas sem sucesso até ao momento da publicação deste artigo.
Recomendadas

5 de outubro: Montenegro acusa Governo de degradar ambiente político com casos

Luís Montenegro falava aos jornalistas no final da cerimónia oficial das comemorações do 112.º aniversário da implantação da República em Portugal, na qual o Presidente da República falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Itália. Governo Meloni deverá misturar técnicos e fiéis da líder

O próximo Governo de Itália, chefiado por Giorgia Meloni, deverá combinar figuras de renome técnico, em pastas cruciais para as relações com Bruxelas, e fiéis da futura primeira-ministra, segundo analistas ouvidos pela Lusa.
Comentários