“Soares está a fazer o que sempre fez: a lutar”

Apesar de continuar inconsciente, o ex-líder socialista dá indícios de retoma do estado cognitivo.

O estado de saúde do antigo presidente da República, Mário Soares “continua a evoluir favoravelmente”, informou em comunicado o Hospital da Cruz Vermelha esta manhã. Mário Soares passou “uma noite estável” e dá “indícios de retoma do estado de consciência”.

De visita ao ex-dirigente do Partido Socialista, Ferro Rodrigues, atual presidente da Assembleia da República, afirma que Soares está “a fazer aquilo que fez toda a vida”: lutar e resistir.

“Está em luta, está a travar um combate muito difícil, mas é com alguma esperança que eu saio daqui visto que todas as informações apontam para uma recuperação, embora ligeira de capacidades cognitivas e isso é muito importante”, declara Ferro Rodrigues.

Apesar das melhoras significativas, Mário Soares vai continuar na Unidade de Cuidados Intensivos do Hospital, com “prognóstico reservado”. O porta-voz do hospital, José Barata, diz que Soares deve permanecer nessa unidade hospitalar “durante os próximos dias”.

Mário Soares, de 92 anos, foi hospitalizado na madrugada de terça-feira, em estado crítico.

Recomendadas

Vitor Ramalho confessa ter deixado o PS em 2012 em rutura com António Seguro

O ex-dirigente socialista lembra que a disponibilidade manifestada por António Costa para se candidatar a secretário-geral do PS só aconteceu depois, em 2014, após as eleições para o Parlamento Europeu.

Aeroporto: Jerónimo de Sousa acusa PS e PSD de adiarem decisão de localização

“PS e PSD estão a tentar entender-se para um novo adiamento da construção do novo aeroporto”, afirmou Jerónimo de Sousa aos jornalistas, à margem de uma visita a uma exploração agrícola na Lourinhã, no distrito de Lisboa.

PS salienta à FRELIMO “cumplicidade” entre portugueses e moçambicanos

Na mensagem que dirigiu ao congresso da FRELIMO, que decorre até quarta-feira, Carlos César transmite também uma saudação a esta força política moçambicana do secretário-geral do PS e primeiro-ministro português, António Costa.
Comentários