Sobrevivência de 10% das empresas ameaçada pela morosidade, diz Crédito y Caución

O impacto da morosidade intensificou-se em Portugal, com 74% das empresas nacionais (mais oito pontos percentuais que no ano passado) a sofrerem o impacto negativo na sua conta de resultados.

Segundo um Estudo de Risco de Crédito impulsionado pela Crédito y Caución e pela sua filial Iberinform, 74% das empresas portuguesas sofre impactos negativos da morosidade. O impacto intensificou-se em Portugal, conclui a seguradora já que a percentagem subiu oito pontos percentuais face ao ano passado. No entanto, apenas 10% (três pontos percentuais menos que há um ano) afirma que corre o risco de encerrar a sua atividade em resultado do impacto dos incumprimentos.

De acordo com o estudo, 33% das empresas portuguesas enfrentam perdas de receitas significativas por causa da morosidade, ou seja, mais quatro pontos percentuais que há um ano.

O agravamento dos efeitos da morosidade alcança níveis superiores nos aspetos da atividade empresarial afetados pelo agravamento das taxas de juro nomeadamente “51% do tecido empresarial regista um aumento dos seus custos de financiamento (dez pontos mais que em 2021)”, diz a Iberinform.

A expansão comercial é travada por 30% das empresas (dois pontos menos que há um ano) e 28% vê-se obrigado a limitar os seus novos investimentos (sete pontos menos).

A falta de controlo sobre a morosidade é um risco para a atividade empresarial, conclui a análise.

“O incumprimento dos pagamentos acordados gera importantes tensões de liquidez numa situação como a atual e é especialmente desestabilizador das operações das empresas de menor dimensão. Se se chegar ao incumprimento de uma venda a crédito comercial, a perda equivale aos custos de produção do produto”, refere a Iberinform, filial da Crédito y Caución.

“O impacto de um incumprimento comercial acentua-se quanto menor for a margem de lucro, pois multiplica o número de vendas com clientes solventes que é necessário para compensar a perda”, destaca o estudo que diz que se uma empresa com uma margem comercial de 10% sofre um incumprimento de 10 mil euros, deverá gerar um novo negócio no valor de 100 mil euros para compensar o impacto dos 9 mil euros em custos de produção.

“Num contexto de emagrecimento das margens comerciais, como consequência dos aumentos dos custos de produção e da importante subida das taxas de juro, é especialmente importante para a sobrevivência de uma empresa gerir adequadamente os seus riscos de incumprimento”, conclui a Crédito y Caución.

Recomendadas

EDP já instalou mais de 700 mil painéis solares nas casas de famílias na Ibéria

A EDP explica que “estas famílias conseguem uma poupança média de até 30% ou mesmo 70% quando agregado a uma bateria de armazenamento. A produção de energia gerada nestas instalações seria suficiente para abastecer com energia renovável 500 mil pessoas por mês, o equivalente a fornecer apenas com energia solar toda a população de Lisboa”.
litio

Lítio: Comissão de Avaliação dá parecer favorável à mina em Montalegre

A Lusorecursos Portugal Lithium confirmou um parecer favorável por parte da Comissão de Avaliação da Mina do Romano, que dá luz verde à exploração mista de lítio (céu aberto e subterrânea) em Montalegre.

BPI alarga comissão executiva para seis membros

O Conselho de Administração do Banco BPI informou que a sua Comissão Executiva será alargada de cinco para seis membros, no mandato 2023-25.
Comentários