SocGen supera previsões mas regista prejuízo de 1,5 mil milhões de euros no segundo trimestre

No entanto, os analistas estimavam um prejuízo superior (2,25 mil milhões de euros) e o SocGen elevou as suas metas para as receitas e rentabilidade, beneficiando com a subida das taxas de juro.

O Société Générale (SocGen) anunciou hoje um prejuízo de cerca de 1,5 mil milhões de euros, com o banco francês a ser penalizado pelos custos relacionados com a saída do mercado russo.

No entanto, os analistas estimavam um prejuízo superior (2,25 mil milhões de euros) e o SocGen elevou as suas metas para as receitas e rentabilidade, beneficiando com a subida das taxas de juro.

A Lusa avança que o banco francês Société Générale perdeu 1.482 milhões de euros no segundo trimestre do ano, devido à transferência da sua subsidiária russa Rosbank por causa das sanções impostas ao país.

O banco indicou que deixar a Rússia custará cerca de 3.300 milhões de euros, antes de impostos. Essas perdas já foram absorvidas nas contas do primeiro semestre, em que o grupo viu os lucros diminuírem em 640 milhões, em comparação com os lucros de 2.253 milhões registados nos primeiros seis meses de 2021.

O Société Générale registou prejuízos trimestrais pela primeira vez em dois anos, depois de ter tido um lucro de 1.439 milhões no mesmo período de 2021, atribuiu-os à saída da Rússia e apontou que sem eles os resultados teriam sido positivos.

O lucro subjacente, sem levar em conta os elementos excecionais, no segundo trimestre foi de 1.349 milhões, 11,5% mais, o que elevou o semestre para 3.079 milhões, um aumento de 16,3%.

O banco francês aumentou o produto bancário em 12,8%, para 7.065 milhões, enquanto o lucro operacional bruto melhorou 21% para 2.607 milhões.

Recomendadas

Banco suíço UBS investe em unicórnio de inteligência artificial

O financiamento à norte-americana BigPanda ocorreu através da unidade de inovação e empreendedorismo UBS Next, que tem 200 milhões para startups tecnológicas e fintechs.

Fitch melhora perspetiva de evolução do Banco Angolano de Investimentos

A agência de notação financeira Fitch Ratings informou que alterou a avaliação do BAI de “Estável” para “Positiva”, ao mesmo tempo que estabeleceu a avaliação da dívida de longo prazo em ‘B-‘”, lê-se no comunicado hoje divulgado em Luanda, que surge depois de, a 15 de julho, a Fitch ter melhorado a perspetiva de evolução do ‘rating’ de Angola.

Banco central angolano suspende Finibanco do mercado cambial após detetar infrações

A medida cautelar de suspensão de participação no mercado cambial, por um período de 45 dias, pretende “assegurar os direitos dos depositantes e a tutela dos investidores”, explicou o banco central de Angola.
Comentários