PremiumSociedades de advogados querem mais PME a investir na sustentabilidade

“Numa visão clássica, o investimento em sustentabilidade fica para último. Quem acredita no seu negócio vê que este é um vetor a apostar”, diz fundador da Cavaleiro & Associados.

As sociedades de advogados têm de fazer o seu caminho na sustentabilidade social, ambiental e de governação (critérios ESG) sob pena de não conseguirem ser boas assessoras para as empresas neste processo e de ficarem com a credibilidade posta em causa. Esta foi uma das posições defendidas pelos oradores da conferência online “Digitalização, sustentabilidade e talento: três desafios da advocacia para 2022”, organizada pelo Jornal Económico (JE), no âmbito da publicação do mais recente anuário “Quem é Quem na Advocacia de Negócios em Portugal”.

O trabalho dos escritórios em prol das sociedades e do combate às alterações climáticas pode ser feito com o cálculo da pegada carbónica, a eletrificação dos transportes que os advogados usam diariamente, a redução do papel, entre outras medidas, conforme sugeriram os advogados neste debate que contou com a moderação de Filipe Alves, diretor do JE.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Pares Advogados assessoraram Sevenair Academy na compra dos ativos da norte-americana L3Harris Technologies

Com esta aquisição, que teve lugar após a entrada de um novo acionista na empresa – o “family office” Worldapproach, de Isaías Gomes Teixeira – a Sevenair Academy torna-se a maior escola de formação de pilotos da Europa, com duas bases de formação (Cascais e Ponte de Sor).

PremiumPorto Law Summit debate sociedades multidisciplinares

As sociedades multidisciplinares – formadas por advogados e outros profissionais – estão a chegar. O bastonário Luís Menezes Leitão, que se recandidata ao cargo, não está disponível para as aceitar.

Diferendo entre Ordem dos Advogados e Conselho de Deontologia de Lisboa volta “à estaca zero”

O despacho deixa o recurso apresentado em janeiro desse ano pelo bastonário, Luís Menezes Leitão, novamente por decidir, contrariando o próprio entendimento que esta 3.ª Secção do CS havia tido anteriormente.
Comentários