Sócrates: Costa e Marcelo não são líderes carismáticos

“O maior inimigo do carisma é a rotina”, defende José Sócrates, dizendo que se por um lado António Costa “é um líder incompleto” em termos de formação, por outro Marcelo “tem excesso de presença, o que o enfraquece”.

Em entrevista à TVI esta quarta-feira, José Sócrates veio afirmar que o primeiro-ministro e o presidente da República até podem, à sua maneira, ser líderes populares mas adverte que “não se deve confundir popularidade com carisma”.

O ex-primeiro-ministro que se prepara para lançar um novo livro esta quinta-feira, com o título “O Dom Profano – Considerações sobre o Carisma” não poupou críticas à forma de governação dos dois líderes portugueses, chegando mesmo a falar em “crise da democracia representativa”.

Sócrates afirma que António Costa é um líder ainda incompleto, apesar da sua vasta experiência política – Costa foi ministro em diversos governos, incluindo durante o tempo em que José Sócrates era primeiro-ministro. “António Costa é um líder em formação. Só agora é líder do partido e só agora é primeiro-ministro. Só podemos ver se é uma liderança carismática depois de um largo período de liderança”, defende.

Mas o que torna uma liderança carismática? Sócrates responde. “As lideranças carismáticas são, muitas vezes, um produto das crises. As pessoas revelam-se nessas alturas de crise. O carisma é sempre algo de excecional, de fora do comum. O maior inimigo do carisma é a rotina”.

E, por isso, o ex-líder do PS fundamenta que mesmo Marcelo, o “presidente dos afetos”, não é um líder carismático. “É um erro confundir uma celebridade ou a popularidade com o carisma. Um dos problemas do carisma na sociologia é precisamente a sua utilização para classificar tudo e nada. Hoje até as marcas de camisas ou de t-shirts são carismáticas. Colar a liderança carismática à celebridade ou a popularidade é um erro”.

Sócrates deixa ainda um conselho ao presidente Marcelo: “A vulgaridade, banalidade, o quotidiano, a rotina, o excesso mata qualquer liderança carismática. Acho que o excesso de presença enfraquece-o”.

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

“Há interessados em criar Zonas Livres Tecnológicas para criptomoedas”, diz secretário de Estado da Digitalização

Mário Campolargo, em entrevista ao Jornal Económico, explica os objetivos do Governo em renovar a Estratégia de Blockchain e Web3 e garante que há interesse por parte de vários ‘players’ em testar moedas virtuais nos espaços livres de constrangimentos regulatórios.

PAN defende aposta nos transportes públicos e revisão dos escalões de IRS

A porta-voz do PAN, Inês Sousa Real, defendeu, este domingo, na proposta de Orçamento do Estado para 2023 o Governo deve apostar nos transportes públicos e na revisão dos escalões de IRS, além da valorização da proteção animal. “É fundamental que no Orçamento do Estado se garanta uma maior aposta nos transportes públicos, a revisão […]
Comentários