Sodexo quer conquistar Portugal com ajuda do Millennium bcp

A multinacional  francesa, que opera em 82 países, adquiriu o negócio do cartão “Free Refeição” do Millennium bcp. O CEO da Sodexo Benefícios e Incentivos Portugal, Florent Lambert, explica ao OJE as principais linhas da estratégia com que a empresa se propõe vencer no mercado nacional. A Sodexo, maior empresa mundial na área dos Serviços […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A multinacional  francesa, que opera em 82 países, adquiriu o negócio do cartão “Free Refeição” do Millennium bcp. O CEO da Sodexo Benefícios e Incentivos Portugal, Florent Lambert, explica ao OJE as principais linhas da estratégia com que a empresa se propõe vencer no mercado nacional.

A Sodexo, maior empresa mundial na área dos Serviços de Qualidade de Vida, nascida há 50 anos em França, está a entrar no mercado português, através da sua divisão de Benefícios e Incentivos e ancorada numa parceria com o Millennium bcp, um dos mais importantes operadores do mercado da distribuição e gestão de cartões refeição. A operação é um passo importante na consolidação da  estratégia de expansão geográfica no mercado europeu, através de um parceiro reconhecido. O acordo vai fazer nascer o cartão Sodexo Refeição Pass, o qual usufrui de todas as vantagens fiscais em vigor.

Que motivos levaram a colocar Portugal no vosso mapa de internacionalização?

A Sodexo está presente em 82 países, contando com mais de 425 mil colaboradores que servem diariamente 75 milhões de utilizadores. Estes números são um claro indicador de que grupo está permanentemente atento às novas oportunidades de negócio e que Portugal, por diversos fatores, seria um objetivo natural com vista a à consolidação da sua estratégia de expansão geográfica no mercado europeu.

Mas porquê agora?

Com efeito, Portugal é um país que voltou a crescer e ao qual estávamos atentos há já algum tempo. Sob diferentes aspetos, o mercado nacional apresenta uma maturidade considerável mas, simultaneamente, revela também um grande potencial de evolução que nos interessa acompanhar e desenvolver.

A entrada da Sodexo em Portugal faz-se através de uma parceria com o Millennium bcp. Porque escolheram esta via?

Sendo um dos principais agentes no mercado nacional da distribuição e gestão de cartões de refeição, a operação com o banco representou, para a Sodexo Benefícios e Incentivos, um importante passo para a concretização dos seus objetivos através de um parceiro reconhecido pela sua dimensão, reputação e inovação. O acordo celebrado permite-nos acrescentar a nossa visão e expertise na gestão de serviços de qualidade de vida e aumentar os benefícios e vantagens associados ao até agora denominado “Free Refeição”, tirando partido da vasta experiência do Millennium bcp em vários segmentos enquanto canal de venda e da sua qualidade no suporte operativo e de processamento.

É possível transformar um quase mero meio de pagamento, que é o que é um cartão refeição atualmente, num verdadeiro caso de benefício e incentivo da empresa para o trabalhador?

A nossa experiência noutros países, como, por exemplo, no Brasil, com o PAT (Programa de Alimentação do Trabalhador), ou em França, cuja lei do Titre Restaurant regula o setor, ou no caso da Bélgica, com o enquadramento legal do Chèque Repas, permite-nos, por um lado, entender a legislação e compreender os seus propósitos e, por outro, avaliar de uma forma construtiva os impactos que as medidas adotadas têm sobre a vida das empresas e das pessoas. Essa experiência acumulada, assim como o uso que fazemos das mais recentes inovações técnicas e, obviamente, a contribuição do nosso valioso capital humano nas diversas geografias dão-nos as ferramentas indispensáveis para desenvolver serviços e soluções que vão ao encontro não só das necessidades das organizações em cumprirem o que se encontra estabelecido legalmente, mas sobretudo, daquilo que são os objetivos concretos das empresas no plano das suas capacidades de atração e retenção de talentos e no plano da otimização de custos e ganhos de produtividade.

Como contribui a Sodexo para a inovação do setor?

Um dos exemplos de intervenção ativa da Sodexo para a compreensão da temática da Qualidade de Vida foi a criação, em 2009, do Instituto para a Qualidade de Vida, através do qual são promovidos estudos e inquéritos à escala mundial, são avaliados casos concretos e partilhadas as melhores práticas, em estrita relação com especialistas externos e universidades nos mais diversos países.

Localmente, são igualmente apoiadas ações dirigidas às realidades económicas e culturais das regiões onde atuamos, com programas criados de raiz e dedicados a promover a qualidade de vida das pessoas em diferentes dimensões. Esta relação da Sodexo com as empresas tem, contudo, como horizonte, os seus colaboradores.

O posicionamento que temos defendido nos 35 países onde estamos presentes com a divisão de Benefícios e Incentivos tem uma clara perspetiva B2B4C, que nos mantém focados nas diferentes dimensões e pontos de vista do mercado, acrescentando valor que compreende todas as partes envolvidas, aproximando empresas e colaboradores com efeitos diretos na economia.

Vão desenvolver alguma solução específica para Portugal?

Sim. A solução Refeição Pass, a primeira que estamos a desenvolver em Portugal, para além do enquadramento fiscal vantajoso, aumenta efetivamente o poder de compra dos colaboradores através de parcerias com o setor da restauração e da plataforma de promoções e descontos “Sodexo Club”, proporcionando ainda uma experiência de utilização única assente em aplicações mobile desenvolvidas em exclusivo para os nossos utilizadores. A montante, esta solução aposta na simplificação e eficácia dos processos e nas ferramentas de gestão de pessoas ao dispor das empresas, em ordem de tornar, no caso do subsídio de almoço, este importante instrumento de política social que não tem caráter remuneratório num verdadeiro benefício com influência no bem-estar das pessoas. Por conseguinte, os colaboradores sentem-se mais motivados, serão mais produtivos e naturalmente estarão mais envolvidos e comprometidos com os objetivos da sua empresa.

Tem lógica.

Na Sodexo, acreditamos que a promoção e o incremento do bem estar dos colaboradores tem um forte impacto no desempenho e resultado das organizações. É por isso que a qualidade de vida está presente em tudo o que desenvolvemos, concretizando soluções que conciliam as expetativas individuais dos colaboradores e os objetivos das empresas.

Esta vossa preocupação está a ser acompanhada pelos governos? Quais são as principais tendências mundiais nesta matéria?

Os dados que obtivemos num dos últimos estudo realizados já em 2015, com o contributo de seis países (EUA, China, Índia, Reino Unido, França e Brasil), permitem-nos elencar um conjunto de conclusões muito interessante e que gostaríamos de sublinhar.

Com efeito, foi possível observar que mais de 90% de líderes de empresas consideram implementar programas de Qualidade de Vida dentro das suas organizações e que quase 60% concordam com o facto de que o incremento da qualidade de vida tem um impacto direto na performance das suas empresas, sendo que sensivelmente a mesma percentagem tem já um orçamento dedicado a este importante aspeto da vida das organizações e das pessoas.

Por Almerinda Romeira/OJE Alain

Alian Afflellou visa chegar a 100 lojas de marca própria em 2 anos
 

Recomendadas

Emissão obrigacionista da Sonangol é “bem vinda” para a bolsa angolana

Segundo o responsável do Departamento de Desenvolvimento de Mercado da Bodiva, Nivaldo Matias, a iniciativa da Sonangol ainda não foi dada a conhecer formalmente à instituição, contudo, a decisão da petrolífera é “bem-vinda”.

Novabase suspende programa de recompra de ações

A tecnológica já tinha suspendido o programa em junho, tendo depois voltado a retomá-lo. Segundo informação publicada nessa altura, o programa estava previsto durar até 31 de dezembro de 2023.

Trabalhadores da Autoeuropa rejeitam pré-acordo laboral que previa aumento de 5,2%

Dos mais de cinco mil trabalhadores da fábrica de automóveis da Volkswagen, em Palmela, no distrito de Setúbal, só 3.865 exercerem o direito de voto, 2.007 dos quais votaram contra o pré-acordo e 1.826 a favor. Houve ainda 10 votos nulos e 22 brancos.