Sofia Carson. “Quando aprendemos a gostar de nós e nos aceitamos, somos imparáveis”

Sofia Carson é Evie, filha da Rainha Má da história tradicional Branca de Neve e os Sete Anões, no novo filme do Disney Channel que estreia este sábado, 10 de outubro, pelas 12h00. Sofia Carson É também a interprete da versão retro-soul de Rotten to the Core, a música que faz parte da banda sonora […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Sofia Carson é Evie, filha da Rainha Má da história tradicional Branca de Neve e os Sete Anões, no novo filme do Disney Channel que estreia este sábado, 10 de outubro, pelas 12h00. Sofia Carson É também a interprete da versão retro-soul de Rotten to the Core, a música que faz parte da banda sonora do flime os Descendentes.

O OJE teve acesso a uma entrevista com esta protagonista. A jovem, de ascendência colombiana, destaca a lição de vida que Evie dá a todas as raparigas e jovens: “Quando aprendemos a gostar de nós e nos aceitamos, somos imparáveis”.

Quais são os resultados que espera da estreia, este sábado, de Os Descendentes?

Kenny [o realizador], o elenco e eu, estamos todos muito apaixonados pelo filme e adorámos a história. Só podemos esperar que os espetadores gostem tanto como nós. Por isso estamos a fazer figas para que seja um sucesso.

Nos últimos anos, temos visto séries e filmes como Era Uma vez, Espelho Meu, Espelho Meu! Há Alguém Mais Gira do Que Eu e Maléfica que correram muito bem. Os contos de fadas tradicionais estão de volta – por que é isso acontece?

Penso que todos nós, desde os meus avós, passando pelos meus pais, pela minha geração, adolescentes e jovens, todos crescemos a adorar os contos de fadas da Disney e existe algo nesses contos que une as pessoas de todas as idades. É parte de quem somos no mundo e na cultura. Por isso penso que é uma ideia de génio trazer de volta o conto de fadas e modernizá-lo com uma reviravolta, como vimos em Maléfica e em Cinderela. Todos adoram contos de fadas, por isso porque não trazê-los para o séc. XXI?

O elenco de Os Descendentes

Escolher atores de carne e osso para interpretarem estas personagens animadas será um risco?

Estas personagens são a continuação de uma herança. Por isso existe muita pressão para lhes dar vida, mas penso que sob a orientação de Kenny, todos nos organizámos para fazer uma boa história que vai tocar os fãs. Espero que todos gostem!

Como é Evie e com que tipo de situações têm de lidar as personagens de Os Descendentes?

A Evie é a filha da Rainha Má da Branca de Neve e os Sete Anões. É uma de quatro jovens vilões criados na Ala dos Perdidos, um mundo mágico e enfeitiçado, para onde os vilões são expulsos. A Evie é a única dos seus amigos que quer sair da ilha e ir viver em Auradon com os Príncipes e Princesas, porque a sua mãe a criou a acreditar em http://www.oje.pt/os-descendentes-estreia-sabado-no-disney-channel/finais felizes. A sua única hipótese de ter um final feliz é encontrar um Príncipe, especificamente um Príncipe Encantado. Por isso ela, no início da história, comporta-se como uma Princesa, uma rapariga que acredita apenas na sua beleza e em nada mais. Quando chega a Auradon, começa a crescer e descobre quem realmente é. Penso que vão poder ver no filme o quanto ela cresce e como se torna numa rapariga forte. Trata-se de uma história muito bonita sobre o poder de uma rapariga.

DESCENDANTS_GAL_135793_2410

A Rainha Má é uma boa mãe? 

[Risos]. Penso que ela fez o melhor que pode. Ela é ‘A’ Rainha Má e as suas únicas preocupações são a sua beleza e vaidade. Ela criou a filha da melhor maneira que sabia e passou-lhe esses ensinamentos. Ela também pensava que o seu final feliz seria com o Príncipe e tal não aconteceu, por isso acho que ela quis passá-lo para a filha mas, parece que a Evie queria outra coisa.

O que destacas no papel de Evie?

A lição que a Evie tem para ensinar às jovens de todo o mundo. A Evie começa a não acreditar nela. Ela foi apenas ensinada a gostar da sua beleza, não nas suas capacidades e no que é enquanto pessoa ou enquanto mulher. Ela foi ensinada a acreditar que o seu único final feliz ser-lhe-ia dado apenas se encontrasse um Príncipe. Ela não tinha forma de conseguir ser feliz sozinha. Por isso quando chega a Auradon, começa a mudar. Começa a ler, a adorar a escola e percebe que a mãe sempre esteve enganada. Ela nunca precisou de ninguém para a salvar, porque foi sempre forte o suficiente para conseguir alcançar os seus objetivos sozinha. Penso que as jovens, e mesmo eu, se vão conseguir relacionar com a história de Evie muito bem porque todas nós por vezes temos uma baixa autoestima quando não sabemos quem somos. Quando aprendemos a gostar de nós e nos aceitamos, somos imparáveis.

Como está a correr a carreira musical? 

Está a correr muito bem e espero ter mais novidades musicais no final do ano. Adorava lançar um álbum e fazer uma tournée pelo mundo – esse seria um outro sonho meu tornado realizado!

[Para saber mais]

OJE

Recomendadas

“Annie Ernaux, os anos super 8”: juntar o íntimo ao social e à História

O público português pode marcar encontro com a escritora francesa Annie Ernaux, Nobel da Literatura 2022. No grande ecrã, estreia um documentário que é também um retrato social, a 15 de dezembro, e nas livrarias irá encontrar a reedição de uma obra sua esgotada há 20 anos.

António Costa e a maldição do sete. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes”

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.

Didier Fiúza Faustino: 30 anos a questionar

Os projetos do “artista-arquiteto” franco-português, como o próprio se define, são marcados pelo questionamento do papel político da criação e da nossa posição enquanto sujeitos e cidadãos. O MAAT, em Lisboa, dedica-lhe uma retrospetiva que Faustino vê mais como um exercício prospetivo.