Solvência II continua a ditar ritmo

Para o supervisor dos seguros, setor dá provas de estar à altura das exigências do regime e o impacto está a ser ultrapassado.

A análise do atual momento do setor segurador é indissociável do impacto do regime Solvência II.  José Almaça, presidente da ASF, frisou no Fórum Seguros, promovido pelo Jornal Económico e pela PwC,  que a “conjuntura atual com o novo modelo da solvência II é de facto desafiante e há todo um caminho por percorrer, o qual tem de ser acompanhado de uma maior capacidade de informação”. Porém, em seu entender, será necessário “tempo e experiência para ultrapassar inconsistências”.

Recorde-se que o regime Solvência II traduz uma revisão global e profunda do enquadramento legal europeu aplicável ao setor segurador, cujas bases se encontram previstas na Diretiva n.º 2009/138/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de novembro de 2009, que reformulou e consolidou num único instrumento 13 diretivas aplicáveis ao setor segurador.

Segundo a ASF, como pedras basilares do novo regime destacam-se a avaliação dos elementos do ativo e do passivo de uma forma consistente e baseada em princípios económicos, o maior alinhamento dos requisitos de capital com os riscos efetivamente assumidos pelas empresas de seguros e de resseguros e a promoção de uma cultura de gestão e de supervisão baseada nos riscos, tendo como corolário a proteção dos tomadores de seguros, segurados e beneficiários.

O supervisor reforça que a “chave para a harmonização”, passa por apostar numa “comunicação aberta e transparente entre as seguradoras e as entidades de supervisão europeias”.

Recomendadas

Fitch melhora perspetiva do rating do BCP

A mudança de perspectiva para o rating do BCP reflete, em parte, uma maior clareza em torno do provisionamento necessário para cobrir os riscos legais do Bank Millennium com empréstimos hipotecários denominados em francos suíços, na Polónia.

Sindicatos dos Quadros e SIB pedem apoio extraordinário para bancários no ativo

Ainda sobre as medidas do Governo de apoio para fazer face à inflação, o Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB) e o SIB (Sindicato Independente da Banca) pedem parecer sobre constitucionalidade do apoio aos pensionistas e exigem apoio extraordinário para bancários no ativo.

Rácio de crédito malparado na banca melhora para 3,4% no segundo trimestre

A queda “reflete a diminuição dos NPL (-4,0%) e o aumento dos empréstimos produtivos (+1,8%)”, explica o supervisor da banca. A rentabilidade também melhorou.
Comentários