Cata Vassalo: “Somos uma marca de atenção ao detalhe”

A Cata Vassalo é uma marca portuguesa de joalharia que cria toucados de noiva e convidada, brincos, bandoletes, clutchs e outras peças para o quotidiano feminino. O atelier de Catarina Vassalo está localizado em Sintra.

Catarina Vassalo, fundadora e designer da Cata Vassalo, viveu entre Valência e Londres durante mais de uma década. Imersa nestas culturas, compreendeu que em ambos os países, os casamentos eram vistos como tempo de experimentar e arriscar usar peças únicas que pusessem em destaque tanto as noivas como as suas convidadas. Inspirada pelo entusiasmo com que as espanholas encaram os acessórios nas ocasiões especiais, Catarina abriu o seu primeiro atelier no centro histórico de Valência.

Como define a identidade da Cata Vassalo? A que público se dirige?
A identidade da Cata Vassalo define-se por tudo aquilo que fazemos: pelas peças, pelas relações de enorme proximidade que estabelecemos com as clientes, pela nossa comunicação, pelo nosso packaging, pelo nosso atelier. Somos uma marca de pormenores. De atenção ao detalhe. De ode à singularidade. E de uma enorme paixão pela nossa arte. Uma marca feminina, em constante evolução, dedicada, de slow fashion, cujas peças são delicadas e repletas de detalhes minuciosos. Uma marca que quer criar peças únicas para pessoas únicas. Neste sentido, a Cat Vassalo dirige-se a todas as mulheres. Para o dia-a-dia e para os momentos especiais.

O que podemos esperar de uma joia sua?
Tudo isto que referimos na questão anterior. Singularidade, delicadeza, feminilidade e muitos detalhes. Na Cata Vassalo não fazemos apenas peças, fazemos uma experiência que começa na relação com a marca, no atendimento, no packaging, na abertura da caixa com a peça e naquilo que as clientes sentem quando a usam no dia-a-dia ou nos dias especiais.

Tem encomendas personalizadas?
Todos os dias. Na Cata Vassalo temos dois segmentos principais: os dias especiais e o dia-a-dia. Para os momentos especiais, as nossas clientes – noivas ou convidadas de um evento – pedem-nos peças personalizadas, criadas para elas tendo como base referências de peças nossas, gostos particulares e até joias de família. Quanto ao dia-a-dia, também existem encomendas personalizadas, por exemplo de bandoletes, mas geralmente as clientes optam por peças da nossa coleção.

Vende mais ao consumidor direto ou a quem compra para oferecer? Há muitos homens a comprar para mulheres?
A ambos. É um orgulho poder dizer que temos uma grande percentagem de clientes fidelizadas que originam uma constante recompra, para elas e para oferecer. Trabalhamos muito a relação, utilizamos recursos para nos ajudar nessa gestão das nossas clientes: Sabemos quem são, tratamo-las pelo nome, conhecemos os seus gostos, sabemos que peças têm e, por isso, existe uma enorme proximidade. Por outro lado, temos diariamente novos clientes que nos procuram também para si ou para oferecer. E sim, já temos uma percentagem considerável de homens, muitos deles também fidelizados e que até subscrevem a newsletter, que nos procuram essencialmente para oferecer peças de coleção mas começam a aparecer homens que também procuram peças personalizadas para oferecer.

O negócio foi prejudicado pela pandemia?
Pelo contrário, as pessoas passaram a comprar mais online e, por isso, a procura por peças de dia-a-dia, nomeadamente brincos e anéis aumentou mas também a compra para momentos especiais. As pessoas passaram a idealizar, a antecipar e a preocupar-se mais com a sua imagem nesses momentos. Crescemos muito e a nossa equipa cresceu também.

Pode dar-me números relativos a 2019? E a 2020?
Em 2020 crescemos o nosso volume de negócios para o dobro e em 2021 estamos a fazer um percurso semelhante.

Porquê o universo das noivas e dos casamentos?
Começámos pelas convidadas. Eu vivia fora, em Espanha e Inglaterra, e as convidadas dos eventos preocupavam-se muito com o que iam vestir e procuravam acessórios, toucados e chapéus. No dia em que o príncipe William e a Kate Middleton se casaram, vendi o meu primeiro toucado de noiva. A partir daí o universo das noivas – com peças personalizadas ou de coleção – começou a crescer.

As peças são produzidas manualmente?
Sim, todas as nossas peças são feitas manualmente e adoramos esse facto porque lhes dá uma identidade única. Cada peça é de facto única porque de uma mão nunca saem duas iguais.

A joalharia pode ser sustentável?
Acreditamos que sim e temos uma enorme preocupação que se transmite nos nossos detalhes. O nosso packaging e materiais são todos recicláveis; somos uma marca de slow fashion. As nossas peças são intemporais, mas também de upcycling. Reutilizamos materiais, damos nova vida a peças antigas, nossas e das nossas clientes. Nesse sentido, muitas das nossas campanhas de comunicação são acompanhadas de pequenos detalhes que reforçam esta preocupação. Agora no Natal criámos um postal em papel semente para ser oferecido com um presente e depois ser plantado. E todos os nossos press kits foram feitos com flores reutilizadas de antigos eventos da nossa marca.

Viveu em Valência e Londres. O que absorveu dessas culturas?
Curiosamente penso que as grandes aprendizagens foram mais a nível de soft skills e personalidade. Em Inglaterra aprendi que o não é sempre garantido e, por isso, a saber lidar e superar cada dificuldade. Em Espanha as pessoas têm muita alegria e esperança – “mañana más y mejor”. Ambas as culturas me ajudaram a ser quem sou e isso reflete-se na minha marca.

Quais são as tendências a nível de joalharia?
Na Cata Vassalo temos uma linha muito intemporal que não segue necessariamente tendências. Gostamos de criar peças que possam ser usadas hoje, mas também daqui a uns anos. Estamos sempre a evoluir, a querer inovar, mas dentro da nossa identidade.

Quais as peças que mais vende? Anéis? Colares? Brincos?
Talvez não faça muito sentido falar em quantidades porque os segmentos de dia-a-dia e de ocasiões especiais são muito diferentes, mesmo em volume de negócio. Assim diríamos que no dia-a-dia sem dúvida que os brincos, seguidos pelos anéis. Para convidada, as clutchs e malinhas. Para noivas, os brincos e os toucados.

Recomendadas

Didier Fiúza Faustino: 30 anos a questionar

Os projetos do “artista-arquiteto” franco-português, como o próprio se define, são marcados pelo questionamento do papel político da criação e da nossa posição enquanto sujeitos e cidadãos. O MAAT, em Lisboa, dedica-lhe uma retrospetiva que Faustino vê mais como um exercício prospetivo.

Produtor Paulo Branco distinguido com Prémio Luso-Espanhol de Arte e Cultura 2022

O produtor português Paulo Branco foi distinguido com o Prémio Luso-Espanhol de Arte e Cultura 2022, revelou hoje o Ministério da Cultura.

DGArtes: Governo reitera que houve “dobro da dotação e mais entidades” apoiadas

O ministro da Cultura reiterou hoje que o Programa de Apoio Sustentado da Direção-Geral das Artes (DGArtes) tem o “dobro da dotação” e abrange “mais entidades”, face às críticas sobre ausência de reforço financeiro da modalidade bienal.
Comentários