Sonae e IPLF Holding vendem MDS ao Ardonagh Group

A aquisição pelo maior grupo de corretagem independente do Reino Unido do grupo MDS permite o reforço da sua presença nacional e internacional na área dos seguros e consultoria de risco. O negócio terá envolvido 200 milhões de euros.

A Sonae e a IPLF Holding “estabeleceram um acordo com o The Ardonagh Group, o maior grupo de corretagem independente do Reino Unido, para a venda de 100% do capital social do Grupo MDS”, revela o grupo nortenho em comunicado enviado à CMVM.

As partes envolvidas não divulgaram pormenores totais do negócio, mas o Grupo Sonae disse que “a transação envolve a venda de 50% do capital social do Grupo MDS por um encaixe de aproximadamente 100 milhões de euros e deverá gerar uma mais-valia de cerca de 74 milhões para a Sonae. Não haverá qualquer impacto nas receitas consolidadas nem no EBITDA consolidado da Sonae”. Ora, sendo a venda de 100% da MDS e sendo os dois sócios paritários, o negócio terá ascendido aos 200 milhões de euros.

A operação, “que demonstra o valor deste ativo desenvolvido de raiz na Sonae” mas não está dentro do core, do grupo, permite à MDS “dar um importante passo estratégico na direção que tem vindo a traçar, com vista a reforçar a sua presença nacional e internacional na área dos seguros e consultoria de risco”.

O Grupo MDS, depois do crescimento orgânico que tem vindo a fazer e a que acrescentou várias aquisições seletivas, “é líder de mercado em Portugal e detém posições de liderança destacada no Brasil e em África, nomeadamente em Angola e Moçambique, atuando igualmente à escala global através da rede Brokerslink por si fundada em 2004, a qual está atualmente presente em mais de 120 países do mundo”.

O The Ardonagh Group, “que se encontra entre os 20 maiores grupos de corretagem de seguros do mundo, tem receitas superiores a 1,5 mil milhões de dólares e emprega cerca de 8 mil pessoas nos seus mais de 100 escritórios”. Os britânicos passarão a ser o único acionista do Grupo MDS, através da sua participada Ardonagh Global Partners.

A atual equipa de gestão da MDS continuará em plenas funções, “dotada de novos recursos e capital, bem como dando continuidade aos planos de crescimento orgânico e inorgânico, os quais se traduzirão em claros benefícios para os seus principais stakeholders”.

“Esta operação enquadra-se plenamente na estratégia de gestão ativa de portefólio da Sonae, dado tratar-se de uma transação atrativa que potencia a criação de valor acionista”, adianta fonte oficial da Sonae, citada pelo comunicado.

Para José Manuel Fonseca, CEO do Grupo MDS, “que se mantém em funções”, disse ao JE fonte oficial, esta operação representa uma oportunidade: “Após considerar todas as alternativas, identificámos na Ardonagh e na sua equipa de liderança um alinhamento perfeito com a nossa visão e ambição de crescimento.”

Des O’Connor, o CEO da Ardonagh Global Partners, refere, citado ainda pelo comunicado, que “o Grupo MDS vai continuar a acompanhar o crescimento dos mercados onde atua, nomeadamente em Portugal, Espanha, Brasil e África.

“A operação agora anunciada deverá estar concluída durante o primeiro semestre de 2022”, depois de conseguidas todas autorizações regulatórias, conclui o comunicado.

Recomendadas

Empresas reafirmam investimento contra riscos cibernéticos

A cibersegurança é uma prioridade para as empresas. O reforço do investimento na proteção de contra ataques mantém-se apesar da conjuntura atual marcada pela subida dos custos. 

Equinix cria fundo solidário de 50 milhões para promover a inclusão digital

A empresa de tecnologia norte-americana criou uma nova estrutura de apoio educativo. O conselho de administração da fundação irá, todos os anos, determinar o montante de doações da fundação, de modo a cobrir a concessão de contribuições ou a correspondência com as ofertas dos colaboradores.

Tecnológica portuguesa Innowave compra Cycloid

Desde 2018 que o grupo tem uma forte estratégia de M&A. “Esta aquisição é mais um passo na nossa estratégia de crescimento, materializada também na criação de centros de competência em Portugal, como é o caso de Lisboa, Porto, Coimbra, Faro e Beja”, afirmou o CEO da Innowave, Tiago Gonçalves.
Comentários