Sonae e Teach For Portugal recrutam 50 mentores. Contratos são por dois anos e remunerados

Candidatos devem ser licenciados ou finalistas de qualquer área de formação e fluentes em português e inglês. Candidaturas decorrem até 5 de fevereiro.

A Sonae e a Teach For Portugal anunciam o recrutamento de 50 novos mentores em 2023 com o objetivo de expandir a atividade da ONG em mais escolas de comunidades desfavorecidas em todo o país, beneficiando mais de 8.000 alunos.

Os mentores são remunerados pelo trabalho e beneficiam do apoio dos parceiros da Teach For Portugal para abraçarem novos desafios profissionais no final do programa. Os candidatos devem ser licenciados ou finalistas de qualquer área de formação e fluentes em português e inglês.

As 50 oportunidades para contratos de dois anos estão distribuídas por 12 regiões: Trás-os-Montes, Tâmega e Sousa, Área Metropolitana do Porto, Alto Alentejo, Área Metropolitana de Lisboa, Cascais, Algarve, Braga, Viana, Guimarães, Coimbra e Odemira.

As candidaturas estão abertas até 5 de fevereiro no site da Teach For Portugal, sucedendo-se a fase de seleção, formação e início de funções nas escolas, em setembro.

“Os mentores Teach For Portugal integram o Programa de Desenvolvimento de Liderança que é profissional, formativo e remunerado, durante dois anos a tempo inteiro”, referem as duas parceiras. “Durante este período, recebem formação e acompanhamento contínuo, através de um plano para desenvolver competências-chave que lhes permitem por um lado maximizar no imediato o seu impacto na escola, e por outro lado, a médio prazo, prosseguir uma carreira com impacto na educação e na redução das desigualdades”.

“Os mentores devem ser profissionais promissores, com forte sentido de liderança e compromisso cívico, para dedicarem dois anos das suas carreiras a capacitarem alunos de contextos desfavorecidos em Portugal, bem como a desenvolverem competências socio-emocionais decisivas para o seu futuro”, destacam ainda a Sonae e a Teach For Portugal.

A Sonae é parceira da TFP desde a sua fundação, tendo atualmente projetos de parceria a decorrer em 10 escolas por todo o país, das quais 6 resultam de uma candidatura conjunta ao Portugal Inovação Social.

“O reforço da nossa parceria com a Teach For Portugal vem contribuir para o nosso propósito de criar hoje um amanhã melhor para todos, levando os benefícios desta parceria a um número crescente de alunos desfavorecidos. Isto apenas será possível através do alargamento da rede de mentores, que irão contribuir para melhorar o futuro de muitas crianças em todo o país”, diz Daniel Fonseca, diretor de Corporate Branding & Communication da Sonae.

Pedro Almeida, CEO e cofundador da Teach For Portugal, explica, por seu turno, que “a captação de talento com compromisso social e potencial de liderança, para operar nos vários estabelecimentos de ensino, prevê o cumprimento do nosso principal objetivo: o de todas as crianças terem a liberdade de escolha e igualdade de oportunidades que extravasem o seu contexto social e permitam um caminho de vida não condicionado”.

Conclui: “É justamente aqui que se insere esta parceria, na possibilidade de expandir o projeto e escalar o impacto na sociedade, chegando a novos públicos e geografias.”

Recomendadas

Stop diz que Governo continua sem respostas para as reivindicações dos professores

O coordenado nacional do Sindicato de Todos os Profissionais da Educação (Stop) disse hoje que o Governo continua sem dar respostas às reivindicações dos professores, considerando a reunião de hoje desoladora.

Fenprof vai fazer queixa ao Ministério Público por alegado abuso de serviços mínimos

A Federação Nacional de Professores (Fenprof) anunciou hoje que vai apresentar queixa no Ministério Público contra diretores escolares que “estão a querer impor serviços mínimos a reuniões sindicais”.

Professores dizem que “não saiu coisa nenhuma” da reunião com ministério da Educação (com áudio)

Os sindicatos de professores consideraram que “praticamente não saiu coisa nenhuma” da reunião de hoje com responsáveis do Ministério da Educação, a quem acusam de querer chegar apenas a “acordozinhos”.
Comentários