Sonae Indústria reduz dívida sénior em 50 milhões de euros

Além de uma primeira séria de obrigações a emitir, no valor de 50 milhões de euros, que serão subscritas na íntegra pela Efanor, que controla a empresa, a Sonae Indústria vai lançar para o mercado em 2020 uma segunda série de obrigações subordinadas no montante máximo de 15 milhões de euros sob a forma de colocação particular junto de contrapartes elegíveis e clientes. institucionais”.

A Sonae Indústria concluiu há cerca de uma semana um conjunto de acordos para a execução de duas operações de financiamento, que vai permitir reduzir a dívida sénior da empresa em 50 milhões de euros.

Segundo o comunicado enviado pela empresa para a CMVM – Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, estas operações de refinanciamento da Sonae Indústria “permitem uma melhoria significativa do perfil de maturidade da dívida e o reforço da estrutura de capital” e “proporcionam uma base financeira mais robusta para alavancar a execução do plano estratégico da Sonae Indústria nos próximos anos”.

“A primeira destas operações envolve o refinanciamento, com quatro bancos credores, de dívida sénior garantida existente, no valor de 90 milhões de euros, e cujos termos prolongam o prazo de maturidade para um período de cinco anos desde a data de formalização (vida média de 3,9 anos) com um custo de dívida inferior ao do montante agora refinanciado”, explica o referido comunicado.

Segundo os responsáveis da Sonae Indústria, “a segunda operação consiste na emissão de obrigações subordinadas, contratual e legalmente subordinadas à totalidade da dívida sénior da Sonae Indústria, com um prazo de reembolso bastante mais alargado do que as outras linhas de financiamento existentes”.

“Estas obrigações subordinadas são integralmente reembolsáveis no final do período de dez anos (dezembro de 2029). As obrigações subordinadas vencerão juros anualmente a uma taxa de 7,00% ao ano. A Efanor Investimentos (…), acionista maioritário da Sonae Indústria, subscreverá integralmente a primeira série de obrigações subordinadas no montante de 50 milhões de euros. Na sequência destas operações, a Sonae Indústria reduz a sua dívida bancária sénior pelo montante de 50 milhões de euros”, garante a empresa.

De acordo com esse documento, “uma segunda série de obrigações subordinadas no montante máximo de 15 milhões de euros será oferecida no mercado em 2020 sob a forma de colocação particular junto de contrapartes elegíveis e clientes institucionais”.

“O montante final desta série está dependente do interesse dos investidores. A segunda série será totalmente fungível com a primeira. Os proveitos líquidos resultantes da segunda série serão utilizados exclusivamente para amortização de dívida sénior. Adicionalmente, novos financiamentos bilaterais sem garantias no valor total de 15 milhões de euros estão a ser finalizados, estimando-se que sejam concluídos durante as próximas semanas contribuindo também para a melhoria das condições de liquidez e do perfil de maturidade da dívida da Sonae Indústria” assinala o referido comunicado.

Para Chris Lawrie, CFO da Sonae Indústria, “a execução destas operações de financiamento reforça significativamente a posição financeira da Sonae Indústria, através do fortalecimento da sua estrutura de capital e, em última análise, vai melhorar a flexibilidade financeira da Sonae Indústria permitindo-lhe executar os seus objetivos estratégicos e extrair o pleno potencial dos seus ativos”.

“O apoio fornecido pelo nosso principal acionista é um claro sinal de confiança no futuro do negócio”, sublinha aquele responsável.

A Sonae Indústria gere diversos negócios nas áreas de produção de painéis de derivados de madeira, laminados e produtos decorativos para aplicação nas indústrias de construção e ‘design’ de interiores.

Recomendadas

Prémio “João Vasconcelos – Empreendedor do ano 2022” atribuído aos fundadores da Coverflex

O prémio de “Empreendedor do Ano” foi entregue pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas, e por Bernardo Correia, ‘country manager’ da Google Portugal, entidade parceira desta edição.

Empresa aeronáutica prevê 6 milhões para começar a produzir aviões em Cabo Verde

“Venho elaborando este projeto já há dois anos, criei a empresa Aeronáutica Checo-Cabo-verdiana, empresa que irá produzir os aviões da Orlican e Air Craft Industries em Cabo Verde”, afirma Mónica Sofia Duarte.

BPI e FCT financiam 20 projetos e nove ideias para o desenvolvimento sustentável no Interior

A edição de 2022 do Programa Promove, uma iniciativa da Fundação “la Caixa”, em colaboração com o BPI e em parceria com a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), concedeu apoios a fundo perdido de perto de 3,6 milhões a um total de 20 projetos e nove ideias destinados a impulsionar o desenvolvimento sustentável de regiões do interior de Portugal.
Comentários