Sonae Investimentos com forte crescimento dos lucros

O grupo nortenho registou também um assinalável crescimento das vendas nas, que ultrapassaram os 3,7 mil milhões de euros.

Sonae

O resultado líquido consolidado da Sonae Investimentos nos primeiros nove meses de 2016 foi de 85 milhões de euros, 22 milhões acima de igual período de 2015, o que representa um crescimento de quase 35%. No final de setembro, a Sonae Investimentos detinha um portefólio global de 1.554 lojas, a que correspondia uma área de venda de 1.145 mil metros quadrados. Ao longo dos primeiros nove meses de 2016, o volume de negócios consolidado da Sonae Investimentos totalizou 3.765 milhões de euros, o que corresponde a um acréscimo de 6,8% face ao verificado no período homólogo do ano anterior. “Esta evolução beneficiou do aumento da contribuição da Sonae MC, Electronics e Sports & Fashion, que mais que compensou o decréscimo do volume de negócios da Sonae RP”, informa o grupo em comunicado enviado à CMVM.

No mesmo comunicado, o grupo salienta que, no período em análise, a Sonae Sports & Fashion adquiriu 50% do capital da Salsa, “dando início a uma promissora parceria com uma empresa portuguesa reconhecida internacionalmente como uma especialista em jeanswear”. O EBITDA do grupo alcançou os 264 milhões de euros, o que representa um aumento de 6,8% face ao ano anterior (mais 17 milhões). “Esta evolução foi, em particular, positivamente influenciada pela melhoria das contribuições por parte da Sports & Fashion (incluindo o contributo da Losan e Salsa), Electronics e MaxMat; e pela realização de operações de Sale & Lease Back de ativos de retalho por parte da Sonae RP”.

No total, a margem de EBITDA foi de 5,2% das vendas, decrescendo 0,5 pontos percentuais face ao ano anterior. O resultado operacional (EBIT) totalizou 127 milhões de euros, aumentando 6 milhões quando comparado com os primeiros nove meses de 2015.

Recomendadas

Ministro britânico defende plano fiscal apesar de reação dos mercados

O ministro das Finanças do Reino Unido, Kwasi Kwarteng, defendeu o anunciado plano fiscal com grandes cortes de impostos, que provocou instabilidade nos mercados financeiros, dizendo que não havia outra escolha para combater a inflação.

Leão vê PIB a crescer acima de 6% este ano e desaceleração em 2023

O antigo ministro das Finanças João Leão acredita que o crescimento do PIB português poderá superar 6% este ano, mas aponta para uma desaceleração em 2023, com uma estagnação ou mesmo recessão na zona euro, defendendo uma estratégia prudente.

Respostas Rápidas: como pode aceder ao complemento solidário para idosos ou outras pensões?

A propósito do Dia Internacional do Idoso e dado o envelhecimento cada vez maior da sociedade portuguesa, importa compreender como podem os contribuintes aceder a vários apoios disponibilizados pela Segurança Social.
Comentários