Sonae MC e AdvanceCare lançam nova marca de seguros e planos de saúde

A Sonae MC e a AdvanceCare anunciaram esta terça-feira o lançamento de uma nova marca de seguros e planos de saúde. A KeepWells entra no mercado com quatro planos, que vão da gratuitidade aos 23,10 euros por mês e que dão acesso a uma rede de mais de 23 mil prestadores. O objetivo é chegar a 1 milhão de clientes.

A Sonae MC e a AdvanceCare lançam esta terça-feira uma nova marca de seguros e planos de saúde, a KeepWells. A aposta conjunta da retalhista e da seguradora pretende “democratizar o acesso a uma rede alargada de serviços de saúde privada de qualidade e confiança”, explicam as empresas em comunicado.

A decisão, explicam os dois grupos, surge num contexto em que “mais de 60% dos portugueses não dispõe de um seguro de saúde”, de acordo com dados citados da Associação Portuguesa de Seguros.

A nova marca entra no mercado segurador com quatro tipologias de plano disponíveis, com coberturas variáveis para consultas, medicina online e exames e análises em mais de 23 mil prestadores na rede médica nacional. Além destas, há também coberturas para medicina dentária e cirurgias e partos.

O mais básico dos quatro é um plano de saúde – Keep Zero – é “grátis para todas as idades sem necessidade de subscrição”, como nota uma brochura partilhada com os jornalistas durante a apresentação da marca, que decorre esta manhã, em Lisboa. Este plano é automaticamente oferecido e atribuído a todos os clientes com cartão Continente.

Os restantes três produtos já considerados como seguros de saúde vão dos 7,50 euros aos 23,10 euros por mês, por pessoa, havendo ainda um plano intermédio de 11,24 euros. Os dois mais básicos destes quatro planos dão acesso a cerca de 14 mil prestadores, como a Lusíadas Saúde, HPA, Trofa Saúde, SAMS, entre outros. Os dois seguros mais “premium” alargam a rede médica a mais de 23 mil prestadores e passam a incluir a CUF, a Luz Saúde e o Centro Clínico Champalimaud.

A apresentação da nova marca foi feita pelo administrador da Sonae MC para Health, Wellness & Beauty, Miguel Águas, pelo CEO da AdvanceCare, José Pedro Inácio, e por Pedro Carvalho, do Grupo Generali.

Objetivo é chegar a 1 milhão de portugueses

Miguel Águas começa por apontar que seis em cada dez portugueses não tem um seguro de saúde e que “a maior parte deles gostaria de ter”. “Não têm porque não podem, ou porque não há um produto que os satisfaça, ou ainda porque não o consegue pagar”, diz, explicando que este insight surgiu à Sonae MC e à AdvanceCare como “uma oportunidade para democratizar o acesso” à rede privada de prestação de cuidados de saúde.

Esta oportunidade, como lhe chama, “está identificada há muitos anos na Sonae MC”, desde logo pela marca Wells, que existe desde 2010. Em 2016, partindo dessa marca, o grupo juntou-se com a AdvanceCare para lançar o produto embrionário da KeepWells, o primeiro plano de saúde da rede, que viria um ano mais tarde a lançar ainda as clínicas Dr. Wells.

Esse primeiro plano, recorda o responsável da Sonae MC para esta área, “veio democratizar o acesso a planos de saúde e trouxe muita poupança às famílias portuguesas”, mais concretamente 8 milhões de euros em poupança gerada, segundo dados apontados pelo próprio administrador.

A decisão de renovar e reforçar a parceria com o Grupo Generali e com a AdvanceCare para entrar no mercado segurador surge como “uma junção de duas marcas muito fortes nos seus sectores”, sublinha Águas. Do lado da Sonae MC, “há muito contacto e frequência com as famílias portuguesas”, salienta, desde logo pelas restantes marcas do grupo – Continente e Worten – e o objetivo é chegar a 1 milhão de consumidores portugueses.

O maior fator diferenciador, diz o administrador, é o preço competitivo, sendo que o mais barato dos seguros (7,50 euros por mês) só manterá este preço para as adesões feitas até ao final deste ano.

A KeepWells vai apostar num contacto predominantemente online e, para já, só existirão dois pontos de venda físicos, em Lisboa e no Porto.

Prevenção de saúde é chave para a sustentabilidade do negócio

O CEO da AdvanceCare, José Pedro Inácio, adianta desde logo que “não estamos aqui a fazer mais do mesmo” e que a nova marca surge com “leveza e fresqueza”. “Estamos a fazer algo baseado naquilo que a AdvanceCare tem e sabe fazer”, diz ainda o responsável, mas que esse algo é “diferente daquilo que existe no mercado”.

Essa diferenciação, assinala, é importante para sustentar “o nível de ambição” que pretende somar 1 milhão de clientes. Essa escala irá implicar um crescimento da equipa da AdvanceCare, diz.

“A saúde não é só a questão dos produtos, ou da rede, é também uma questão de prevenção. É algo que nos pode diferenciar e é aquilo que tornará esta oferta sustentável”, garante o CEO. “Precisamos de prevenção para reduzir os custos médios e para que as pessoas vivam até mais tarde”, remata.

Oferta de lançamento “não é imutável”

Ao Jornal Económico, Miguel Águas esclarece que a ideia de alargar a oferta de produtos e serviços não se limita à proposta inicial e não descarta a possibilidade de, no futuro, incluir produtos com cobertura para animais de estimação.

“Serão matérias que vamos discutir. Esta é a oferta de lançamento e não é imutável. Há procura no mercado e há dinamismo e queremos sempre ir ao encontro das necessidades dos clientes”, esclarece. A oferta, para já, “é esta e entendemos que isto cobre as necessidades latentes dos nossos clientes”, diz Águas, mas sublinha: “No futuro vamos – e estamos a olhar – para essas oportunidades”.

Recomendadas

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas”, afirma CEO do Access Bank

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas participarem no que acreditamos que irá gerar um valor mais forte à medida que África vai emergindo”, explicou Herbert Wigwe, CEO da Access Holding Pics, numa entrevista exclusiva para a Forbes África Lusófona.

Montepio vende Finibanco Angola a grupo da Nigéria

O Acess Bank é uma entidade detida a 100% pela Access Holdings Plc (Access Corporation), um banco comercial que opera através de uma rede de mais de 700 balcões e pontos de atendimento, abrangendo 3 continentes, 17 mercados e 45 milhões de clientes, segundo o Montepio. Valor não foi divulgado.

Lucros do Banco de Fomento sobem 135% para 22,9 milhões de euros em 2021

“Este aumento explica-se, essencialmente, pelo crescimento do produto bancário que passou de 31,89 milhões de euros, em 2020 para 44,69 milhões de euros no ano em análise”, ou seja, subiu 40%.
Comentários