Sonae SGPS reforça volume de negócios

Lucros seguem o caminho inverso, e diminuem 3% no final do terceiro trimestre do ano.

A Sonae SGPS atingiu o final dos nove primeiros meses do ano com um volume de negócios consolidado de 3.882 milhões de euros, o que representa um crescimento de 6,7% em relação a período homólogo do ano passado, informa a empresa da Maia em comunicado enviado á CMVM.

As empresas que estão sob o chapéu da holding responderam positivamente para os resultados do grupo. Assim, a Sonae MC aumentou o volume de negócios em 5,3%; a Worten registou um crescimento de 1,3% (para um EBITDA de sete milhões); e a Sports and Fashion “registou uma melhoria significativa no EBITDA” de 10 milhões. “Numa base comparável, todos os negócios de retalho cresceram, com destaque para o Continente, que viu uma vez mais reconhecido o seu estatuto de operador com os preços mais baixos do mercado”, refere o co-CEO do grupo Ângelo Paupério.

Apesar disso, o resultado líquido do terceiro trimestre ‘encolheu’ 3%, passando de 146 milhões de euros para 141 milhões – com o lucro atribuível aos accionistas a passar de 142 milhões no período homólogo do ano passado para os 138 milhões no período em análise. Contrariamente, o EBITDA total do grupo passou dos 292 milhões de euros para os 301 milhões, pelo que registou um crescimento de 3,1%.

A dívida líquida do grupo de Belmiro de Azevedo também diminuiu nos últimos nove meses registados no final de Setembro, tendo passado dos 1.312 milhões de euros no período homólogo do ano padssado, para os 1.248 milhões – de onde resultou um decréscimo de 4,9%.

Relacionadas

Sonae Investimentos com forte crescimento dos lucros

O grupo nortenho registou também um assinalável crescimento das vendas nas, que ultrapassaram os 3,7 mil milhões de euros.
Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta segunda-feira.

Euribor sobem a três, seis e 12 meses para novos máximos de quase 14 anos

As taxas Euribor subiram hoje para novos máximos desde o início de 2009 a três, seis e 12 meses.

Maioria dos europeus tem hoje maior dificuldade em fazer face às despesas mensais

O disparo dos preços tem levado as famílias europeias a ter maior dificuldade em equilibrar o orçamento mensal. Não há dados específicos para Portugal, mas também cá os salários reais têm caído e o poder de compra emagrecido.
Comentários