Sonae Sierra aumenta o portefólio de ativos sob gestão na Europa e Marrocos

Desde o início do ano, a empresa conta com mais 11 novos contratos da área de Property Management e 12 de Leasing. “O crescimento da prestação de serviços de Property Management é bem refletido em países como Alemanha, Espanha, Itália, Polónia, Portugal, Marrocos e Kosovo”, avança em comunicado a empresa do grupo Sonae.

Nos primeiros nove meses de 2022, a Sonae Sierra “reforçou e diversificou o seu portefólio de ativos sob gestão na Europa e em Marrocos com a assinatura de 23 novos contratos e captação de novos clientes”, anuncia a empresa em comunicado.

Desde o início do ano, a empresa conta com mais 11 novos contratos da área de Property Management e 12 de Leasing, “ao serviço de diferentes perfis de clientes, de institucionais a investidores privados”, segundo a mesma nota.

A Sonae Sierra é também responsável pela gestão de seis mil contratos com lojistas, cobrindo cerca de 2,4 milhões de m2 de ABL (Área Bruta Locável) na Europa e Marrocos.

“Com uma experiência de mais de três décadas na prestação de serviços de gestão imobiliária, a Sierra tem vindo a apostar num crescimento internacional abrangendo diferentes tipologias de ativos imobiliários”, refere a empresa especialista em imobiliário do grupo Sonae.

“Desde o início do ano, o crescimento da prestação de serviços de Property Management é bem refletido em países como Alemanha, Espanha, Itália, Polónia, Portugal, Marrocos e Kosovo”, avança.

A diretora executiva da área de Property Management da Sierra, Cristina Santos, no comunicado, refere “o incremento relevante de novos contratos de serviços conseguido nestes primeiros nove meses do ano”.

“Para além de reforçarmos a nossa posição como gestores e agentes de comercialização de Centros Comerciais e Retail Parks, salientamos a entrada em novas tipologias de ativos, como edifícios de uso misto e comercialização de escritórios, assim como a expansão do nosso negócio em novos países, com a captação de novos clientes”, diz.

Durante o ano de 2022, a taxa de ocupação dos centros comerciais geridos pela empresa do grupo Sonae no continente europeu e em Marrocos manteve-se nos 97%, “um resultado que demonstra uma gestão resiliente e ágil após o recente período de pandemia”, refere o documento.

A Sonae Sierra indica que gere uma carteira de ativos imobiliários diversificada em termos geográficos e de tipologia.

Um dos ativos recentemente adicionados ao portefólio de gestão foi o Atrium Saldanha, “um edifício emblemático de uso misto, sendo um dos mais importantes centros de escritórios em Portugal com uma componente relevante de retalho”.

Em Espanha, a Sierra é, desde setembro, responsável pela comercialização do Breogán Park, em La Coruña, o maior projeto de retail park e de uso misto em desenvolvimento no país, contando mais de 60.000 metros quadrados de ABL.

Na Alemanha, começou a gerir o Europa Galerie em Saarbrücken, num país onde conta com um portefólio de sete ativos sob gestão. Outro contrato relevante foi o serviço de leasing para o centro Vulcano, em Itália, situado na área metropolitana de Milão, e que conta com cerca de 160 lojas.

“Entre os vários ativos adicionados ao portefólio de gestão fora da Europa, destaca-se o Aeria Mall, em Casablanca, onde a Sierra é responsável pela gestão e comercialização”, refere a empresa.

Em Marrocos, a Sonae Sierra gere um portefólio diversificado, com 3 centros comerciais sob serviços de Property Management e mais três contratos de Leasing para outros 3 ativos diversos incluindo uma das principais estações de comboio de Rabat.

“Finalmente, durante este período, a Sierra firmou um contrato para prestar um amplo leque de serviços com o Prishtina Mall, aquele que deverá ser o maior centro comercial do Sudeste da Europa. Localizado na capital do Kosovo, trata-se de um ativo com um ABL de 115 mil m2 e cerca de 235 lojas”, revela a empresa.

Recomendadas

CEO portugueses preveem parcerias estratégicas para empresas crescerem, revela KPMG

No que toca a medidas para o futuro, a estratégia preferida dos CEOs portugueses (36%) para atingir os objetivos de crescimento das suas empresas é a criação de alianças com parceiros estratégicos, por oposição a 26% dos CEOs internacionais. As Fusões e Aquisições (F&A) seguem em segundo lugar destas medidas, com votos de 28% dos CEOs portugueses e de 11% dos CEOs internacionais.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta segunda-feira.

Luís Laginha de Sousa quer reafirmar caminho que tem sido feito pela CMVM

As linhas de atuação da nova administração do regulador de mercados, cuja cerimónia de tomada de posse decorreu esta segunda-feira no Ministério das Finanças, não significam “qualquer rutura com o caminho” seguido até agora, garante o novo presidente da CMVM que quer reforçar a articulação entre os supervisores.
Comentários