Sonangalp já opera 43 postos em Angola

A empresa angolana Sonangalp, participada em 49% pela portuguesa Galp Energia, já opera 43 postos de abastecimento de combustíveis em Angola, negócio largamente liderado pela estatal Sonangol Distribuidora. Os dados constam de um relatório de setembro, do Ministério dos Petróleos, que revela que o setor da distribuição de combustíveis é controlado por aquela empresa do […]

A empresa angolana Sonangalp, participada em 49% pela portuguesa Galp Energia, já opera 43 postos de abastecimento de combustíveis em Angola, negócio largamente liderado pela estatal Sonangol Distribuidora.

Os dados constam de um relatório de setembro, do Ministério dos Petróleos, que revela que o setor da distribuição de combustíveis é controlado por aquela empresa do grupo público Sonangol, a única que opera em todas as 18 províncias do país.

Em setembro, a Sonangol Distribuidora contava com um total de 489 postos de abastecimento de combustíveis operacionais em todo o país, seguida da Pumangol, com 67.

A Sonangalp, controlada maioritariamente pela Sonangol (51%) e participada pelo grupo Galp Energia (49%), contava, à mesma data, de acordo com o relatório, sobre a atividade do setor no país, com 43 postos de abastecimento, em sete províncias.

Trata-se de um crescimento de 30 postos em quatro anos, nesta parceria luso-angolana, lançada em julho de 1994.

Além das três marcas de implantação nacional, a rede de postos de abastecimento de combustíveis angolana era constituída, em setembro, por mais 258 operadoras de “bandeira branca”, das quais 173 instaladas em contentores ao longo das principais vias.

No mesmo relatório, aquele ministério sublinha que os níveis alcançados neste tipo de serviço “constituem o resultado da implementação do programa da política de Liberalização e Expansão da Rede de Comercialização de Derivados de Petróleo”, que visa ampliar a Rede de Distribuição de Combustíveis e Lubrificantes.

 

OJE/Lusa

Recomendadas

Premium“A operação da TAP é estratégica para o Brasil”, diz presidente da Embratur

Portugal é um “país-chave para a entrada de europeus no Brasil e de brasileiros na Europa”, diz Silvio Nascimento, que espera que a TAP possa não só manter como aumentar o número de rotas, mesmo após o processo de reestruturação.

Empresa do ministro das Infraestruturas e da Habitação e do seu pai fez contrato com o Estado

 Segundo o jornal ‘online’ Observador, o contrato com o Estado feito pela Tecmacal “constitui uma incompatibilidade de acordo com a lei que estabelece o regime do exercício de funções por titulares de cargos políticos e altos cargos públicos”.

Sindicatos avançam com proposta de greve nos CTT a 31 de outubro e 2 de novembro

Os sindicatos que representam os trabalhadores dos CTT avançaram com uma proposta de greve nos dias 31 de outubro e 2 de novembro, em protesto pelos “7,50 euros de aumento imposto” pelo grupo aos funcionários, segundo um comunicado.