Sonangol arrecada 47,4 milhões com venda de ações na Caixa Angola

Segundo um comunicado da Bolsa de Dívida e Valores de Angola (Bodiva), o preço das ações foi fixado em cinco mil kwanzas para o público em geral, órgãos sociais e trabalhadores, que poderiam aceder a 10% do capital, e 3.399 kwanzas para os acionistas angolanos a quem estavam reservados os restantes 15%.

A Sonangol arrecadou 20.197 milhões de kwanzas (47,4 milhões de euros) com a venda das ações que detinha no Banco Caixa Geral de Angola (BCGA), com a procura a superar a oferta em 142,02%, anunciou a Bodiva.

Segundo um comunicado da Bolsa de Dívida e Valores de Angola (Bodiva), o preço das ações foi fixado em cinco mil kwanzas para o público em geral, órgãos sociais e trabalhadores, que poderiam aceder a 10% do capital, e 3.399 kwanzas para os acionistas angolanos a quem estavam reservados os restantes 15%.

No total, os oferentes (Sonangol EP e Sonangol Holding, empresas da petrolífera estatal angolana) arrecadaram o correspondente a 20.197 milhões de kwanzas.

A procura superou a oferta em 142,02% tendo sido consideradas as ordens de compra com o preço unitário final da oferta e contemplados 693 dos 706 subscritores.

Dos investidores contemplados, 600 pertenciam ao público em geral, 91 aos trabalhadores e órgãos sociais e os outros dois eram os acionistas angolanos que já detinham 12% do banco cada um (os empresários Jaime Freitas e António Mosquito)

No próximo dia 29 de setembro as ações serão admitidas à negociação na Bodiva.

Esta é a segunda entrada em bolsa este ano, depois da operação lançada pelo Banco Angolano de Investimento (BAI), onde o Estado angolano alienou também as ações que detinha através da Sonangol e da diamantífera estatal Endiama.

Recomendadas

Mark Bourke prevê subir o rácio de capital do Novobanco em cerca de 1% só com os lucros deste ano

“O nosso plano é o Novobanco ser independente e competitivo”, disse o CEO. Sobre se a Lone Star estava a negociar já com potenciais compradores numa venda futura do Novobanco, Mark Bourke respondeu “absolutamente que não”.

EDP emite 500 milhões de dólares de ‘green bonds’ a 5 anos

Esta emissão destina-se ao financiamento (ou refinanciamento) do portfólio de projetos renováveis elegíveis da EDP, anuncia a empresa.

Metro de Lisboa tem um novo Provedor do Cliente e é o ex-ministro Vieira da Silva (com áudio)

Vieira da Silva foi eleito Provedor do Cliente do Metro de Lisboa, mas é “um contrato de prestação de serviço não remunerado”. O mandato é de um ano, renovável sucessivamente por iguais períodos.
Comentários