Sonangol confirma auditoria para fiscalizar situação da petrolífera

A administração da Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol), liderada desde novembro por Carlos Saturnino, após a exoneração de Isabel dos Santos, anunciou esta sexta-feira que iniciou uma auditoria para aferir a situação da petrolífera estatal.

A administração da Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol), liderada desde novembro por Carlos Saturnino, após a exoneração de Isabel dos Santos, anunciou esta sexta-feira  que iniciou uma auditoria para aferir a situação da petrolífera estatal.

A posição surge num comunicado da petrolífera enviado à Lusa, no qual garante que em momento algum prestou informação confirmando a existência de uma comissão de inquérito interna à administração de Isabel dos Santos.

“A Sonangol tem um novo conselho de administração e, ao abrigo do que acontece em situações análogas, está em curso uma auditoria normal com o propósito de aferir a situação atual da empresa”, refere ainda a petrolífera, acrescentando que todos os processos, no âmbito da ação da atual administração, “são canalizados para os fóruns próprios”.

Em causa, admite a própria Sonangol, estão recentes informações publicadas na imprensa, segundo as quais a petrolífera angolana teria confirmado a constituição de uma comissão de inquérito para averiguação de supostas irregularidades atribuídas à anterior administração.

Essas notícias dão conta de alegados desvios de elevadas quantias pouco antes da saída de Isabel dos Santos da administração da Sonangol, com participação à Procuradoria-Geral da República de Angola, e que já na quinta-feira levaram a empresária e filha do ex-chefe de Estado, José Eduardo dos Santos, a divulgar um desmentido.

“Contactada, a Procuradoria-Geral da República de Angola confirma que não foi apresentada qualquer queixa-crime contra a engenheira Isabel dos Santos naquela instância, e que não estão em curso procedimentos legais de qualquer tipo, em relação a qualquer assunto relativo à empresária”, refere o comunicado da empresária.

Desde que foi exonerada da Sonangol, por decisão do Presidente da República, Isabel dos Santos tem sido visada regularmente por várias notícias sobre alegadas irregularidades nos 17 meses de administração na petrolífera.

Por seu turno, a 11 de dezembro, Isabel dos Santos voltou a referir-se à situação na petrolífera Sonangol, acusando a atual administração, que em novembro passou a ser liderada por Carlos Saturnino, de “despedimentos em massa”, nomeadamente de colaboradores que lhe eram próximos.

Numa publicação com o título “Carta Aberta”, que colocou nas redes sociais, como tem sido hábito desde que foi exonerada, Isabel dos Santos assume estar a partilhar “uma situação preocupante que tem ocorrido nos últimos dias” na petrolífera.

“Estão a ocorrer despedimentos em massa! Os assessores, os diretores, e todos colaboradores que foram promovidos ou que entraram para a Sonangol durante a vigência do último conselho de administração estão a ser todos despedidos, ou enviados para casa”, afirma a empresária e filha do ex-chefe de Estado angolano José Eduardo dos Santos.

Denuncia mesmo que estão a ser “conduzidos interrogatórios à porta fechada, com gravadores em cima da mesa, alegando um falso inquérito do Estado e um falso inquérito do Ministério do Interior, intimidando as pessoas para coercivamente responderem às questões”.

“Este procedimento é ilegal. Só as autoridades judiciais ou policiais podem fazer interrogatórios. É preciso respeitar o direito dos trabalhadores”, escreve Isabel dos Santos, acrescentando, sobre os colaboradores que estarão a ser despedidos, que muitos “recentemente largaram outros empregos para integrarem a Sonangol, porque acreditaram no país e queriam ajudar Angola a crescer”.

Isabel dos Santos assumiu a liderança, e o processo de reestruturação, da Sonangol em junho de 2016, nomeada pelo então Presidente da República, José Eduardo dos Santos, até ser exonerada pelo novo chefe de Estado, João Lourenço, em novembro último.

O Presidente angolano nomeou para as mesmas funções Carlos Saturnino, que, por sua vez, em dezembro de 2016, tinha sido exonerado do cargo de presidente da Sonangol Pesquisa & Produção por Isabel do Santos e que já em outubro tinha sido nomeado por João Lourenço para secretário de Estado dos Petróleos.

Relacionadas

Isabel dos Santos nega ser alvo de queixa-crime por transferências para ‘offshore’

Procuradoria-Geral da República de Angola terá confirmado à empresária angolana que não lhe foi apresentada qualquer queixa-crime.

Presidente de Angola exonera administrações de mais nove empresas públicas

Em causa está a gestão doos caminhos-de-ferro de Luanda (CFL), Benguela (CFB) e Moçâmedes (CFM), que passam a ser lideradas, respetivamente, por Júlio Bango Joaquim, Luís Teixeira e Daniel João Quipaxe (reconduzido), em conselhos de administração com cinco elementos cada.
Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Empresas do BCSD pedem mais ambição para acelerar a transição para a bioeconomia circular

Para o BCSD Portugal, “este enorme desafio obriga à convergência ativa de todos: sector público, sector privado, universidades, sociedade civil e cada um de nós individualmente”.

Consórcio da Mota-Engil Ativ e Image4All ajuda EPAL a tornar-se 100% autossuficiente em energia

“A prioridade da Image4All é assegurar a otimização do uso da energia, na certeza de que a eficiência energética aumenta e melhora a rentabilidade e sustentabilidade dos negócios. Este projeto responde à estratégia da EPAL de atingir a neutralidade energética em todas as suas operações”, explica o CEO da Image4All, João Loureiro.
Comentários