Sonangol e ENI procuram optimizar refinarias

As petrolíferas angolana Sonangol e italiana ENI assinaram um acordo de compromisso, com vista à optimização das refinarias de Luanda e do Lobito, na província de Benguela.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A agência de notícias Angop noticia que o acordo consagra também a optimização e consequente aumento do potencial da refinaria de Luanda, para o aumento da sua capacidade de refinação e consequente redução das quantidades de refinados a importar.

Destacando que os compromissos agora assumidos entre a Sonangol e a Eni culminam uma série de contactos iniciados em novembro em Roma, a Angop avança a existência de um acordo sobre “os instrumentos necessários ao aumento do investimento no setor”. Designadamente no que respeita o investimento no bloco 15/06, onde a ENI realiza atividades de desenvolvimento.

OJE

Recomendadas

Novobanco pesou 37,6% do dinheiro injetado pelo Estado na banca desde 2008 até 2021

A CGD beneficiou de 5.458 milhões de euros; o BES/Novobanco recebeu 8.291 milhões (valor do saldo negativo para o Estado); o BPN consumiu 6.146 milhões; o BPP beneficiou de 268 milhões e o Banif 2.978 milhões. Isto são as causas para o saldo desfavorável para o Estado que soma 22.049 milhões de euros.

Governos podem precisar de taxar empresas de energia para ajudar os mais pobres, diz CEO da Shell

O presidente executivo da Shell considera que o mais importante é “proteger os mais pobres” e como tal os governos podem vir a precisar de taxar empresas de energia. “Há uma discussão a ser feita sobre isso, mas acho que é inevitável” a necessidade de intervenção, considerou.

TdC identifica mais de 12 mil milhões de euros de despesa com 186 benefícios fiscais em 2021

O organismo alerta para a inconsistência com os 336 benefícios mencionados pela Autoridade Tributária, para a concentração do recurso a estas medidas em poucos beneficiários e para a falta de avaliação quanto ao impacto real das mesmas.