Sondagem Aximage/JE: Maioria dá razão à direção do Livre no conflito com Joacine Katar-Moreira

Menos de um em cada cinco entrevistados são sensíveis aos argumentos da deputada no diferendo provocado pela abstenção num voto de protesto na Assembleia da República. E Joacine Katar-Moreira tem menos apoio entre as mulheres do que entre os homens.

Miguel A. Lopes / Lusa

A maioria dos portugueses reconhecem razão à direção do Livre na polémica que manteve ao longo das últimas semanas com Joacine Katar-Moreira, e que culminou com uma resolução da Assembleia do Livre, órgão máximo do partido entre congressos, divulgada nesta terça-feira, onde se lê que as declarações da deputada à comunicação social “foram gravosas para a honra e dignidade do partido, dos seus membros, apoiantes e simpatizantes, assim como dos seus órgãos”, sem que no entanto lhe tenha sido retirada a confiança política.

Uma sondagem realizada pela Aximage para o Jornal Económico, entre 29 de novembro e 3 de dezembro, revela que 48,8% dos inquiridos consideram que a direção (mais concretamente, o Grupo de Contacto) teve a razão do seu lado no diferendo com a deputada, motivado pela sua abstenção num voto de protesto do PCP contra a intervenção militar israelita nos territórios palestinianos da Faixa de Gaza. Apenas 18,3% disseram que Joacine Katar-Moreira tem razão, enquanto 4,2% hesitaram entre ambos e nenhum e 28,6% não responderam ou admitiram não saber.

A percentagem de pessoas que apoiaram a direção do Livre foi especialmente grande entre os eleitores da CDU (68,8%) e PSD (64,7%), descendo para valores mais reduzidos entre quem votaria PS (47,5%), Bloco de Esquerda (54,1%) e nos outros partidos, brancos e nulos (58,7%). Pelo contrário, os partidários da deputada única do partido são sobretudo eleitores do PS (22,3%) e a percentagem daqueles que dão razão a ambos ou a nenhum dos lados em disputa é maikor entre quem vota Bloco de Esquerda (9,6%). E a Aximage faz notar que, “dentro da reduzida base de eleitores do Livre, as opiniões sobre quem tem razão neste caso dividem-se”, mas ligeiramente mais a favor do Grupo de Contacto (43%) do que de Joacine Katar-Moreira (41%).

Curiosamente, a percentagem de homens que reconhecem razão à deputada (22,4%) supera em muito a das mulheres (14,7%), invertendo-se esta ordem entre os inquiridos pela Aximage que deram razão à direção do Livre: 45,2% dos homens e 52,1% das mulheres. No que toca a grupos etários, o resultado mais próximo ocorreu nos entrevistados de 35 a 49 anos (39,5% pelo Grupo de Contacto e 29,8% pela deputada), enquanto o mais desproporcionado deu-se nos entrevistados de 50 a 64 anos (51,6% a favor do Grupo de Contacto e apenas 4,7% sensíveis aos argumentos de Joacine Katar-Moreira).

Elevados níveis de notoriedade para a deputada

Mesmo que a maioria dos portugueses lhe apontem o dedo na polémica que abalou o Livre, com declarações da deputada e do seu assessor a desvalorizarem o contributo do resto do partido para a sua eleição nas legislativas de 6 de outubro, a cobertura mediática terá potenciado ainda mais a elevada notoriedade da deputada que durante a campanha eleitoral disse “gaguejar a falar e não a pensar”. Joacine Katar-Moreira é conhecida por 81,3% dos inquiridos na sondagem, atingindo máximos de notoriedade entre os homens (84,6%), as pessoas com 65 ou mais anos (86,8%), residentes em ambiente semiurbano (88,1%) e na região Norte (85,6%).

Pelo contrário, os segmentos em que a notoriedade da deputada única do Livre é menos elevada são as mulheres (78,5%), as pessoas entre 18 e 34 anos (69,6%), apenas com a escolaridade obrigatória (76,6%) e residentes no Sul e Ilhas (71,3%).

FICHA TÉCNICA

Universo: Indivíduos maiores de 18 anos residentes em Portugal.

Amostra: Amostragem por quotas, obtida a partir de uma matriz cruzando sexo, idade e região (NUTSII), a partir do universo conhecido, reequilibrada por género (2) e escolaridade (2). A amostra teve 601 entrevistas efetivas: 301 entrevistas CAWI e 300 entrevistas CATI; 155 entre os 18 e os 34 anos, 166 entre os 35 e os 49 anos, 146 entre os 50 e os 64 anos e 134 para os 65 e mais anos; Norte 188, Sul e Ilhas 101; Área Metropolitana de Lisboa 195; Centro 117.

Técnica: Aplicação online – CAWI (Computer Assisted Web Interviewing) – de um questionário estruturado a um painel de indivíduos que preenchem as quotas pré-determinadas para os indivíduos com idades compreendidas entre os 18 e os 64 anos; entrevistas telefónicas – metodologia CATI (Computer Assisted Telephone Interviewing) do mesmo questionário devidamente adaptado ao suporte utilizado, ao sub-universo utilizado pela AXIMAGE nos seus estudos políticos, com preenchimento das mesmas quotas para os indivíduos com 50 e mais anos e outros. O trabalho de campo decorreu entre 29 de novembro e 3 de dezembro de 2019.

Erro probabilístico: O processo amostral, não sendo aleatório, implica a não indicação do erro probabilístico. Contudo, para efeitos de comparação, para uma amostra probabilística com 601 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,020 (ou seja, uma “margem de erro” – a 95% – de 4,00%).

Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem Lda., sob a direção técnica de João Queiroz.

 

 

 

 

 

Relacionadas

Livre: Declarações de Joacine “foram gravosas para a honra e dignidade do partido”

O partido anunciou que a deputada não vai sofrer sanções disciplinares, mas “lamenta” as declarações da deputada à comunicação social durante a primeira crise do partido, destacando que não houve qualquer “pedido de desculpas pelas mesmas, esperando que esta situação não se venha a repetir”.

‘Tribunal’ do Livre vai investigar caso Joacine Katar Moreira

Este órgão pode propor uma “atuação disciplinar, se for caso disso” na abstenção de votação da deputada. Advogado Ricardo Sá Fernandes, membro do partido, vai ser o relator do parecer da comissão de ética do partido.

Joacine explica abstenção no voto sobre Gaza com “falta de comunicação” com Livre

A deputada única do Livre, Joacine Katar-Moreira, indica que a abstenção não se tratou de “uma falta de consciência ou descaso” com a situação e pede desculpa a quem se sentiu lesado ou defraudado com a posição que adotou.
Recomendadas

PS/Madeira acusa Governo Regional de estar “alheado da realidade”

O líder do PS/Madeira acusou este sábado o Governo Regional e os partidos que o compõem o executivo insular (PSD e CDS) de estarem “alheados da realidade” e dos problemas dos madeirenses porque estão “fechados nos gabinetes”.

Aquilo que foi feito na TAP “foi um crime político e financeiro”, refere Luís Montenegro

O presidente do PSD, Luís Montenegro, afirmou este sábado que o que foi feito na TAP “foi um crime político e financeiro”, considerando que a vontade do Governo de privatizar a companhia não pode passar incólume.

Eleições no Brasil. Mais segurança nos locais de voto do Porto e Faro

Os consulados do Brasil no Porto e em Faro, tal como em Lisboa, terão reforço de segurança, privada e da PSP, nos locais de votação e áreas envolventes, para as presidenciais deste domingo, confirmaram responsáveis consulares.
Comentários