Sondagem revela que economia é mais importante do que punir a Rússia

Enquanto que eu março a maioria defendia que se devia dar prioridade às sanções à Rússia, agora 51% defende que se deveria limitar os danos à economia dos EUA.

Reuters

Os americanos estão tornar-se menos favoráveis ​​a punir a Rússia por lançar se esta ocorrer às custas da economia dos EUA, revelou uma sondagem divulgada pela “Associated Press”.

Embora o amplo apoio às sanções dos EUA não tenha diminuído, o equilíbrio de opiniões sobre a priorização de sanções mudou. Agora, 45% dos adultos dos EUA dizem que a maior prioridade do país deveria ser sancionar a Rússia da forma mais eficaz possível, enquanto que 51% defende que se deveria limitar os danos à economia dos EUA.

Em abril os números foram exatamente invertidos. Em março, logo após a Rússia atacar a Ucrânia, uma clara maioria (55%) disse que a maior prioridade deveria ser sancionar a Rússia da maneira mais eficaz possível.

A mudança de opinião reflete como os preços crescentes estão a afetar as famílias americanas e demonstra que talvez as pessoas estejam a limitar a sua disposição de apoiar financeiramente a Ucrânia.

As conclusões da sondagem podem ser um sinal preocupante para o presidente Joe Biden, que no sábado aprovou um financiamento adicional de 40 mil milhões para ajudar a Ucrânia, incluindo armas e assistência financeira, num momento em que a sua taxa de aprovação diminuiu como também demonstrou a “Associated Press” noutra sondagem.

Recomendadas

Israel abateu três drones do Hezbollah no Mediterrâneo

O exército israelita afirmou hoje que abateu três drones do grupo xiita libanês Hezbollah e que se dirigiam a um campo de gás no Mediterrâneo, numa área marítima disputada pelos dois países.

Manifestações pelo direito ao aborto reúnem milhares em França

Várias manifestações ocorreram hoje em França em defesa do direito ao aborto e para manifestar apoio às mulheres norte-americanas, depois da decisão, na semana passada, do Supremo Tribunal dos Estados Unidos, de revogar esse direito.

Marcelo parte para São Paulo ainda sem “comunicação por escrito” de Bolsonaro

O chefe de Estado português afirmou hoje, antes de partir do Rio de Janeiro para São Paulo, que continua sem receber nenhuma “comunicação por escrito” do Presidente do Brasil a cancelar o almoço de segunda-feira em Brasília.
Comentários