SOS Sado diz que tribunal levantou suspensão do início das dragagens em Setúbal

O Tribunal Administrativo e Fiscal de Almada indeferiu esta quinta-feira o pedido de decretamento provisório das medidas cautelares requeridas pelo movimento SOS Sado e levantou a suspensão inicial das dragagens, revelou à agência Lusa fonte da associação.

“Não concordamos com a interpretação do Tribunal, mas respeitamos a sua decisão, na certeza de continuar a pugnar para que a justiça portuguesa valorize a perspetiva de quem defende o património natural do país de forma desinteressada”, refere uma breve nota de imprensa divulgada pela SOS Sado.

“Não deixamos no entanto de reafirmar o risco de arranque da obra a qualquer momento, pelo que apelamos às cidadãs e cidadãos que continuem a mobilizar-se na defesa do estuário do Sado”, acrescenta o documento.

O Tribunal Administrativo e Fiscal (TAF) de Almada suspendeu terça-feira o início das dragagens no estuário do Sado, mas sabia-se que a decisão poderia ser revertida, em função dos argumentos aduzidos pela APSS (Administração dos Portos de Setúbal e Sines) e/ou a Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

Centenas de pessoas e diversas associações cívicas e de defesa do ambiente têm participado em diversas iniciativas de protesto e interpuseram várias providências cautelares contra as dragagens no estuário do Sado, que visam melhorar as acessibilidades marítimas ao porto de Setúbal, e que foram aprovadas pela APA.

No Tribunal Administrativo e Fiscal de Almada já entraram várias providências cautelares, de diversas associações que contestam as dragagens, mas, até ao momento, nenhuma impediu a continuidade do processo que visa permitir a entrada de navios de maior dimensão no porto de Setúbal.

Relacionadas

Tribunal suspende dragagens no Sado mas administração do Porto de Setúbal vai contestar

O Tribunal Administrativo e Fiscal (TAF) de Almada suspendeu provisoriamente o início das dragagens no estuário do Sado, mas a decisão não é definitiva, revelou hoje à agência Lusa o porta-voz da associação SOS Sado, David Nascimento.

PAN pede suspensão de dragagens no Sado e atenção ao “turismo desregrado”

Inês Sousa Real confessou “perplexidade” com opções políticas do Governo de António Costa como a construção do novo aeroporto internacional no Montijo.

Dragagens no Sado geram ações judiciais, providências cautelares, requerimentos, petições na AR e manifestações

As obras deverão iniciar-se esta semana, mas a onda de contestação está a crescer, devendo chegar à Assembleia da República na próxima semana.
Recomendadas

Presidente do TdC favorável a reativar Inspeção-Geral da Administração Local

Para o presidente do TdC, José Tavares, “o processo de descentralização não está necessariamente ligado ao fenómeno da corrupção” e garantiu, em entrevista à Lusa, que o tribunal a que preside “vai acompanhar com muita atenção este fenómeno de descentralização e os seus impactos no domínio dos recursos públicos”.

Tribunal de Contas só recusa visto a 1% dos contratos em fiscalização prévia

“Recebemos para fiscalização prévia cerca de 2.000 a 4.000 contratos por ano só para fiscalização prévia, que são os contratos com valores superiores a 750 mil euros. Desse montante, apenas a uma percentagem muito reduzida é que o Tribunal de Contas recusa o visto: cerca de 1%. Aqui está a força dissuasora da função de fiscalização prévia”, explicou.

Ex-presidente da Câmara de Terras de Bouro condenado por prevaricação

O Tribunal de Braga condenou hoje a três anos de prisão, com pena suspensa, o ex-presidente da Câmara de Terras de Bouro Joaquim Cracel por ter aprovado o licenciamento de uma moradia ielgal em terreno de Reserva Agrícola Nacional (RAN).
Comentários