S&P mantém avaliação da CGD positiva condicionada ao Plano de Recapitalização

A S&P continua a admitir uma eventual subida do ‘rating’, se o rácio de risco ajustado for melhorado. “Avaliaremos também a capacidade dos novos administradores de entregar de forma atempada os objectivos estratégicos da CGD”.

Caixa Geral de Depósitos

Uma nota divulgada hoje pela agência de rating S&P sobre a Caixa Geral de Depósitos revela que é mantida a avaliação  (CreditWatch) positiva, mas esta manutenção fica dependente da aprovação pela Comissão Europeia do Plano de Recapitalização.

A 24 de agosto de 2016, o Ministério das Finanças anunciou que tinha chegado a um acordo de princípio com a Comissão Europeia (CE) para recapitalizar o banco. Contudo, até hoje, o plano ainda não foi formalmente aprovado pela CE e os dados sobre o calendário, e sobre o montante e a utilização dos fundos que serão injectados, não foram  divulgados”, diz a nota enviada pela S&P aos seus clientes.

“A S&P Global Ratings disse hoje que mantém em CreditWatch positivo o rating de longo-prazo da Caixa Geral de Depositos (CGD, BB-/Watch Pos/B)”, refere a nota. Este “rating” de BB-, é três patamares abaixo de grau de investimento.

A 28 de novembro de 2016, a CGD informou que o CEO António Domingues, que tinha sido recentemente nomeado, e seis membros do Conselho de Administração tinham renunciado, com efeitos a partir de finais de 2016. “Nós entendemos que o acordo de princípio que foi anunciado em agosto permanece intacto e que o Governo está a trabalhar para encontrar uma equipa substituta para a gestão da CGD. Vamos acompanhar de perto se os desenvolvimentos recentes resultam em mudanças estratégicas ou mudanças no plano de recapitalização anunciado, e quanto tempo levará a se materializar esse plano”, diz a S&P.

“Avaliaremos também a capacidade dos novos administradores de entregar de forma atempada os objectivos estratégicos da CGD, com vista a melhorar a sua rentabilidade e a qualidade dos ativos (crédito). Conforme comunicado no início deste ano, a evolução face ao CreditWatch continua a depender da aprovação formal pela CE do plano de recapitalização da CGD, e no conhecimento dos detalhes específicos sobre o montante e a utilização da injeção de capital. Isto permitirá avaliar as implicações para o rácio de capital da CGD”, revela a nota da agência.

A S&P fala da possibilidade de melhorar o rácio de RAC (Risk-Adjusted Capital) – que é uma medida do rácio de fundos próprios  ajustado (Common equity tier 1) – usada pela agência de rating, e que inclui o capital em dinheiro dos accionistas, adicionado de interesses minoritários e subtraindo items como dividendos, reservas de reavaliação, goodwill, prejuízos fiscais, entre outros. Ajustado com a adição das acções preferenciais e reservas gerais.

“Especificamente nós podemos melhorar o rating da CGD se anteciparmos que o rácio de Risk Adjusted Capital irá melhorar e ser mantido de forma sustentada acima dos 5%”, diz a agência.

 

Recomendadas

PremiumMontepio suspende projeto para retirar 700 milhões de malparado

Chama-se “Projeto Douro” e pretendia retirar do balanço do banco entre 600 a 700 milhões de imóveis e crédito malparado a grandes empresas. Mas o processo está parado e sem data de retoma.

Laginha de Sousa defende a tributação do carbono para alinhar os incentivos privados com os objetivos sociais

Numa intervenção nas ESG Talks, o ainda administrador do Banco de Portugal e futuro presidente da CMVM, Luís Laginha de Sousa, citou um estudo recente da consultora McKinsey, que constata que mais de 90% das empresas do S&P 500 publicam atualmente algum tipo de relatório sobre sustentabilidade ESG. 

Fundação Santander lança mil bolsas para curso de negócios digitais

A Fundação Santander lançou mil bolsas que dão acesso ao curso Digital Business Development do Técnico+ Formação Avançada, unidade de pós-graduação do Instituto Superior Técnico.
Comentários