S&P melhora rating do Santander Totta

A agência de rating Standard & Poor’s  (S&P) acaba de anunciar ter melhorado o rating da dívida de longo prazo do Banco Santander Totta de “BB” para “BB+”. Esta melhoria surge na sequência do recente upgrade do rating de Portugal. Em nota, o banco esclarece que  que o outlook  é estável e que o rating […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A agência de rating Standard & Poor’s  (S&P) acaba de anunciar ter melhorado o rating da dívida de longo prazo do Banco Santander Totta de “BB” para “BB+”. Esta melhoria surge na sequência do recente upgrade do rating de Portugal.

Em nota, o banco esclarece que  que o outlook  é estável e que o rating do Santander Totta mantém-se o melhor do sistema financeiro.

As atuais notações de rating da dívida de longo prazo do Banco Santander Totta em comparação com os níveis da República Portuguesa são:

– Fitch: BBB (Portugal: BB+);
– Moody’s: Ba1 (Portugal: Ba1);
– S&P: BB+ (Portugal: BB+);
– DBRS: BBBH (Portugal: BBBL)

OJE

Recomendadas

Amazon planeia gastar 95 milhões de euros por ano em publicidade no Twitter

Este valor faz parte da estratégia da retalhista online no regresso à publicidade na rede social agora liderada por Elon Musk, mas está ainda dependente de alguns “ajustes de segurança” na plataforma de anúncios do Twitter.

Comércio online representou 22% de todo o comércio na Black Friday

As compras por MB Way dispararam face a 2019, com uma subida de 1.730%, de acordo com os dados divulgados pelo Forward Payment Solutions (SIBS).

Saídas de capital do Credit Suisse quase estancadas e já se nota regresso de depositantes de elevado património

O banco deverá ter perdido cerca de 10% dos fundos depositados na operação de gestão de ativos, devido a desconfianças dos clientes relativamente à solvabilidade da instituição.