Sporting quer reunião “urgente”, gabinete de Costa diz que “não está marcada”

‘Leões’ revelaram, esta segunda-feira, 21 de maio, ter pedido uma reunião com o primeiro-ministro. Avança que vai reforçar as medidas de segurança na Academia, em Alcochete, e no Estádio José Alvalade, em Lisboa. E assegura que suspendeu apoios à Juve Leo.

António Cotrim/Lusa

“Não está marcada”. É desta forma que fonte oficial do gabinete do primeiro-ministro responde quando questionada pelo Jornal Económico sobre “audiência urgente” com o António Costa, anunciada nesta segunda-feira, pelo Sporting que deu conta, em comunicado, “que já foi aceite” para “discutir todos os assuntos relacionados com o combate à violência no desporto”.

A resposta do gabinete de António Costa surge depois de o Sporting Clube de Portugal anunciou, esta segunda-feira, 21 de maio, que irá reunir-se de urgência com o primeiro-ministro, António Costa, na sequência dos episódios de violência por parte de adeptos para com os jogadores de futebol e a equipa técnica do clube, na última terça-feira, 15 de maio, na Academia de Alcochete.

No comunicado, o Sporting dá conta de uma “audiência urgente com o primeiro-ministro – que já foi aceite faltando agendar a data – para discutir todos os assuntos relacionados com o combate à violência no desporto, bem como as propostas que têm vindo a ser apresentadas ao longo do tempo pelo Sporting CP sobre esta matéria”.

O Sporting acrescenta ainda, no mesmo comunicado, que pretende “a manifestação, mais uma vez, de total disponibilidade ao Secretário de Estado do Desporto por parte do Sporting CP – já aceite também – para reforçar, desenvolver e melhorar as propostas e aplicação de medidas que visam o combate à violência no desporto”

“Na sequência dos gravíssimos acontecimentos ocorridos na Academia Sporting, foi decidido tomar as seguintes medidas que vigorarão até à conclusão da investigação do Ministério Público em curso e do processo de averiguações interno que logo se desencadeou: chamar o líder da Juventude Leonina a quem foi comunicada a suspensão imediata dos benefícios protocolados com o Sporting CP“, pode ler-se no comunicado.

Na passada terça-feira, 15 de maio, cerca de  50 alegados adeptos, encapuzados, entraram na Academia de Alcochete e atacaram a equipa de futebol, agredindo técnicos e jogadores. No seguimento, o clube afirma ainda que vai reforçar as medidas de segurança em todas as instalações do clube, solicitando ainda às forças de segurança uma outra reunião urgente para uma “maior articulação”.

O  Sporting avançou ainda, em comunicado, que pretende solicitar às forças de segurança, em particular à GNR de Alcochete e à 3ª Divisão do Comando Metropolitano de Lisboa, a realização de uma reunião com “carácter de urgência de modo a que haja uma maior articulação entre o sistema de segurança da Academia e do Estádio com as autoridades”.

O comunicado do clube leonino surgiu depois da derrota do Sporting na final Taça de Portugal, frente ao Desportivo das Aves, por 2-1, no domingo, onde o Sporting admite um “sentimento de frustração”, apelando, de seguida, à união dos adeptos e ao seu apoio aos atletas

O Sporting classifica como “gravíssimos” os acontecimentos que tiveram lugar na Academia do Sporting e anuncia que já chamou “o líder da Juventude Leonina a quem foi comunicada a suspensão imediata dos benefícios protocolados com o Sporting”.

Relacionadas

Sporting: 23 suspeitos de agressões ficam em prisão preventiva

A decisão sobre a medida de coação tem por base o perigo de fuga, de continuação da atividade criminosa e de perturbação do inquérito.
Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Títulos de dívida pública desvalorizaram-se 35,4 mil milhões de euros em 2022, destaca BdP

“Um dos destaques do ano de 2022 foi a evolução distinta das cotações de ações e de títulos de dívida pública. Por um lado, assistiu-se à desvalorização dos títulos de dívida pública nacional em 35.400 milhões de euros. Por outro, as ações cotadas nacionais valorizaram-se 2.500 milhões de euros”, avança o banco central.

Bruxelas paga 1,8 mil milhões a Portugal no âmbito do PRR

Em comunicado, a Comissão Europeia adianta que o pagamento de hoje “foi possível graças ao cumprimento de Portugal nos 20 marcos e alvos relacionados com a segunda parcela”. 
Comentários