Standard and Poor’s sobe rating de Portugal em um nível

Depois da DBRS é a vez da S&P subir o ‘rating’ de Portugal em um nível para BBB+, o que corresponde a três graus acima de “lixo”. Já a perspetiva manteve-se “estável”.

A agência de notação financeira Standard and Poor’s (S&P), que avaliava a dívida soberana portuguesa em ‘BBB’ (investment grade) com perspetiva estável, elevou hoje o ‘rating’ de Portugal em um nível para BBB+, o que corresponde a três graus acima de “lixo”. Já a perspetiva manteve-se “estável”.

A melhoria da avaliação da agência norte-americana ocorre depois da S&P, em março, ter reafirmado a classificação de grau de investimento e a perspetiva.

Na altura, a S&P assinalava que as incertezas geopolíticas globais e o aumento dos preços da energia e das ‘commodities’ levaram a agência a rever a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2022 para Portugal de 5,7% para 4,6%, com uma possível queda adicional dependendo da evolução do conflito na Ucrânia, segundo a “Lusa”.

A S&P destacou ainda que a perspetiva da dívida soberana portuguesa permanece ‘estável’, uma vez que acredita que o Governo de António Costa irá seguir políticas de apoio ao crescimento e à consolidação orçamental nos próximos quatro anos, enquanto a economia beneficia de subsídios da União Europeia.

A avaliação da S&P tem lugar depois de, em 26 de agosto, a DBRS ter subido a avaliação da dívida soberana portuguesa para ‘A’ (baixo), com perspetiva estável, considerando que as “vulnerabilidades de crédito de Portugal ligadas a choques externos estão a retroceder e as perspetivas macroeconómicas estão a melhorar”.

A próxima agência a olhar para a dívida portuguesa é a Fitch em 28 de outubro.

A S&P foi a primeira agência de rating a tirar Portugal de classificação “lixo” em setembro de 2017.

Recomendadas

Mudança ‘online’ para todas as empresas no mercado regulado de gás já é possível

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) anunciou hoje uma atualização ao guia para mudar para o mercado regulado de gás natural, com os ‘links’ para a contratação eletrónica de todos os comercializadores naquele mercado.

OE2023: Marcelo diz que previsões são melhores do que esperava mas não são “maquilhagem política”

O Presidente da República afirmou hoje que as previsões económicas do Governo para 2023 são melhores do que esperava, mas considerou que não são “um exercício de maquilhagem política”, embora admitindo que posam falhar.

Governo prevê PIB a crescer 1,3% e défice de 0,9% no próximo ano

O cenário macroeconómico da proposta de Orçamento do Estado para 2023, que está hoje a ser apresentado aos partidos, contempla prevê um abrandamento do crescimento económico de 6,5%, este ano, para 1,3% no próximo. Inflação mantém-se no patamar do OE2022 de 4% e dívida cai para 110,8%.
Comentários