Startup alemã procura 40 engenheiros informáticos para o escritório do Porto (com áudio)

A empresa foi cofundada pelo empreendedor português Bruno Pires vai recrutar para o centro tecnológico da Invicta. No ano passado, a Kenbi levantou 7 milhões de euros numa ronda de financiamento ‘seed’ e 23,5 milhões de euros numa série A.

A startup alemã Kenbi, que foi cofundada pelo empreendedor português Bruno Pires, está a reforçar a equipa do Porto e pretende contratar mais de 40 engenheiros informáticos para o escritório que tem no norte de Portugal, meses depois de ter fechado uma ronda de financiamento de 23,5 milhões de euros.

A empresa que comercializa serviços domiciliários de assistência anunciou esta quarta-feira que está a investir no centro tecnológico da Invicta na sequência dessa última ronda de investimento (série A), que foi liderada pela Endeavor Vision e contou também com os atuais investidores Redalpine, Heartcore, Headline, Partech, entre outros ligados aos cuidados de saúde e ao Sillicon Valley Bank.

Já no início do ano passado a healthtech tinha encaixado 7 milhões de euros numa ronda seed encabeçada pelos suíços da Redalpine e na qual participaram ainda as sociedades de capital de risco Heartcore, e.venture e Partech. No total, a empresa fundada em Berlim em 2019 angariou mais de 30 milhões de euros e cresceu de 12 para 430 funcionários (80% mulheres) em cerca de três anos.

“Através da nossa tecnologia, desenvolvida no Porto, conseguimos resolver um problema: a falta de tempo dos cuidadores. Esse tempo perdido, maioritariamente, em tarefas burocráticas, é transformado em maior flexibilidade para trabalhar e maior oferta de cuidados. Com a Kenbi, os pacientes valorizam a proximidade, acessibilidade e conforto de todos os cuidados necessários. É tão simples como chamar um motorista numa aplicação móvel”, afirma o cofundador e Chief Technology Officer (CTO), Bruno Pires.

Ao lado do CTO na Kenbi estiveram Katrin Alberding e Clemens Raemy, que se conheceram na Harvard Business School em 2009 e, quase uma década depois, decidiram avançar na missão transformar digitalmente o sector da assistência domiciliária, expandindo-o a toda a população independentemente da idade e aumentando o número de serviços.

Hoje, a Kenbi tem uma rede de mais de 300 cuidadores que atende pacientes em vários estados na Alemanha, promove cerca de 48 mil visitas mensais de cuidadores e enfermeiros e vende serviços e produtos como ajuda doméstica, companhia, visitas de animais de estimação, cuidados físicos básicos, cuidados médicos e tratamentos especializados, entre outros.

“Com este investimento vamos ampliar as inovações tecnológicas para o cliente, que vão além do mercado-alvo de idosos, criando uma categoria de assistência médica em casa para uma população mais ampla: agenda de serviços, relatórios de atendimento, contatos da rede de atendimento e um marketplace para solicitação de ofertas adicionais”, revelou o CTO, em comunicado enviado à imprensa.

Um dos objetivos é integrar no portefólio serviços de atendimento domiciliário modernos, como farmácias online e telemedicina assistida por enfermeiros, e fazer análises de dados para assistência médica preditiva.

Recomendadas

Filipe Novais: Quem trabalha no sector farmacêutico “tem uma sensação de oportunidade perdida”

O diretor-geral da Astellas Farma considera que o desenvolvimento da indústria ficou aquém do potencial que foi atingido nas últimas décadas por outros países europeus. “A indústria farmacêutica pode ser um motor de inovação para a economia portuguesa”, diz.

“Daqui a 10 ou 20 anos, a saúde será completamente diferente”, diz diretor executivo da Health Cluster Portugal

No campo das agendas estratégicas, acredita que haverá uma grande aposta na inovação, digitalização e industrialização.

Fórum Indústria Farmacêutica. Assista aqui em direto

Assista em direto na JE TV à transmissão do Fórum Indústria Farmacêutica, que decorre durante a manhã desta quarta-feira no Hotel Pestana Palace. Em análise está o valor económico do sector, bem como a importância da inovação e do desenvolvimento para o futuro.
Comentários