Startup fundada por ex-CEO da TAP recebe financiamento para contratar em Portugal

A plataforma de viagens P2D Travel, liderada Antonoaldo Neves, vai também abrir uma escritório no México, depois do investimento da Point Break Capital.

A startup fundada por Antonoaldo Neves, ex-CEO da TAP, recebeu financiamento do fundo norte-americano Point Break Capital que lhe permitirá investir a Portugal. A P2D Travel, que se descreve como uma plataforma online para empreendedores terem sua própria agência de viagens digital, irá contratar colaboradores no país, que se juntarão a uma equipa composta por meia centena de trabalhadores.

“Com o investimento, a P2D vai acelerar os esforços de recrutamento de parceiros e agentes de viagens no Brasil e Portugal, onde já opera atualmente, bem como iniciar a sua expansão internacional com a criação de uma base no México, onde acaba de recrutar a equipe para iniciar as operações, pavimentando assim o caminho para entrar no mercado dos Estados Unidos”, informou o empresário brasileiro, antigo diretor da companhia aérea portuguesa e da Azul Linhas Aéreas, nas redes sociais.

A P2D Travel ficou assim avaliada em 85 milhões de reais (aproximadamente 13 milhões de euros).

A Point Break Capital LP é um hedge fund que tem aproximadamente 4 mil milhões de dólares (cerca de 3,4 mil milhões de euros) em ativos sob gestão, tornando-o num doa maiores fundos privados do mundo, e cujo investimento mínimo são 100 mil dólares (na ordem dos 85 milhões de euros). Uma das gigantes na qual o fundo tem uma posição é na empresa de casinos Caesars Entertainment, dos Estados Unidos (EUA).

Antonoaldo Neves destaca, numa publicação no LinkedIn, que a Point Break Capital é “apoiada por um grupo selecionado de empresários experientes com longo histórico no Brasil, EUA e Europa”. Logo, este investimento permitirá à sua startup, criada em 2020, disponibilizar mais e melhoradas ferramentas de marketing aos parceiros – que são mais de mil – para “promoverem viagens nas redes sociais” e “conectar mais fornecedores de produtos e serviços de forma direta”.

Recomendadas

Associação de Capital de Risco elogia programa “Consolidar” por ser de capital e não de dívida

Luís Santos Carvalho, presidente da APCRI, elogia o facto de “neste programa não haver dívida, nem garantias: é tudo capital para investir em empresas”. O Programa “Consolidar” mobiliza 752 milhões para fomentar a consolidação de PME.

BEI e Santander apoiam PME em Portugal com 820 milhões de euros

O Santander Portugal adianta que o acordo com o BEI poderá abranger mais de 3.000 pequenas e médias empresas (PME) e empresas de média capitalização.

PremiumPortugal Ventures passa de prejuízo a lucro de 12 milhões

A sociedade do grupo Banco Português de Fomento registou um aumento de 45% na valorização da carteira de capital de risco, em relação a 2020, o que explicou os resultados líquidos positivos.
Comentários