Startup nigeriana Koolboks vence concurso da Galp com refrigeração solar em África

A final do programa Startup the Future – que recebeu mais de 200 candidaturas de 54 países – realizou-se na Web Summit. A startup vencedora recebeu 50 mil euros.

A startup Koolboks, oriunda da Nigéria, foi a vencedora da final do primeiro programa internacional de startups lançado pela Galp. A empresa fundada em 2018 recebeu 50 mil euros por ter desenvolvido uma solução de refrigeração sustentável para o continente africano, onde 770 milhões de pessoas não têm acesso a eletricidade.

“A Koolboks é uma arca que funciona em modo de refrigeração ou congelação, alimentada por painéis solares e baterias de lítio. A energia, abundante e acumulada durante o dia, mantem a Koolboks a funcionar durante sete dias consecutivos garantindo a qualidade dos alimentos”, explicou a petrolífera promotora do concurso, no âmbito da sua plataforma de inovação aberta, a Upcoming Energies.

Deborah Gael, diretora de Operações da Koolboks, explicou que esta inovação social permite suprir “grandes desafios que se colocam às populações” uma vez que 17% das pessoas na África Subsaariana não têm acesso a fontes de refrigeração. A seu ver, permite também que “as mulheres africanas tenham mais autonomia, gerindo pequenos negócios assentes na venda de alimentos ou refeições”.

“Todos os projetos finalistas do Startup the Future já são vencedores por terem chegado até aqui”, começou por dizer o responsável pelas áreas de energias renováveis e inovação da Galp, no último dia da Web Summit. “Mas a Koolboks é incrível, toca-nos no coração porque é uma resposta imediata às necessidades humanas mais básicas”, argumentou Georgious Papadimitriou.

“A transição energética que estamos a operar exige inovação, exige colaboração e exige pessoas como estes empreendedores que hoje distinguimos”, sublinhou o executivo da Galp, num discurso proferido no stand da marca, um dos mais ‘chamativos’ da FIL.

O Startup the Future desafiou empreendedores a encontrar as soluções inovadoras e disruptivas nas áreas de inovação social, mobilidade elétrica (em parceria com BMW), renováveis e gestão energética, produção e operações. No total, a Galp recebeu mais de 200 candidaturas de 54 países.

Entre os finalistas em Lisboa estiveram a Mobilyze, uma startup eslovaca que usa tecnologia preditiva para otimizar a localização de pontos de carregamento de veículos elétricos, a Delfos, tecnológica brasileira que aplica Inteligência Artificial na produção de energia renovável, e a GreenEnergy, também do Brasil, que propõe produzir hidrogénio verde a partir do lodo das águas residuais.

Recomendadas

Trabalhadores da Autoeuropa rejeitam pré-acordo laboral que previa aumento de 5,2%

Dos mais de cinco mil trabalhadores da fábrica de automóveis da Volkswagen, em Palmela, no distrito de Setúbal, só 3.865 exercerem o direito de voto, 2.007 dos quais votaram contra o pré-acordo e 1.826 a favor. Houve ainda 10 votos nulos e 22 brancos.

Governo apela a entendimento entre sindicato e administração da TAP para evitar greves

“O apelo que posso fazer é para que a administração, mas também o sindicato faça um esforço de entendimento e que se consiga poupar a TAP a mais cinco dias de greve”, afirmou Pedro Nuno Santos.

Datalex prevê levar software para advogados a Espanha e Brasil no próximo ano

O diretor da startup portuguesa Datalex disse ao Jornal Económico que a internacionalização passará por parcerias estratégicas. A empresa de tecnologia para juristas renovou recentemente a imagem de marca para apostar noutros mercados e prevê fechar 2022 com uma subida de até 62% na faturação.
Comentários