Startups de tecnologia aplicada à saúde mental registam recordes de investimento em 2020

Um dos efeitos nefastos da pandemia de Covid-19, a degradação da saúde mental das populações, tem levado a investimentos recorde na área da tecnologia focada nesta área, um sector que deverá continuar a crescer fortemente mesmo depois de ultrapassada a crise provocada pelo novo coronavírus.

A pandemia de Covid-19 levou a que 2020 fosse um ano de recordes para o sector das tecnologias aplicadas à saúde mental, como demonstra um relatório da PitchBook que a Reuters cita.

Segundo a empresa de análise de capital de risco, em 2020 houve 146 negócios que movimentaram cerca de 1,6 mil milhões de dólares (1,3 mil milhões de euros), um aumento considerável em relação aos 893 milhões de dólares (735 milhões de euros) investidos no sector no ano anterior em 111 negócios. Há uma década, este valor era de 6,6 milhões de dólares (5,4 milhões de euros) em apenas 3 negócios.

Um relatório da McKinsey destaca também para a importância das empresas enquanto clientes destes serviços, apontando para os 52% de empresas que oferecem aconselhamento aos seus colaboradores em matérias de saúde mental. Por outro lado, o sector deverá crescer exponencialmente nos próximos anos, dado que, além da pandemia, as redes sociais são um forte motor de instabilidade psicológica e emocional.

“Quando a história das redes sociais for escrita, as pessoas aperceber-se-ão que estas foram o equivalente ao tabaco para esta geração”, afirma Roger Lee, sócio da Battery Ventures, empresa de investimentos tecnológicos.

Recomendadas

Sysmex investe no aumento da presença no mercado português

O grupo de origem nipónico especializado em diagnósticos e serviços de hematologia, quer aproveitar a retração dos investimentos de outras empresas para cimentar a sua posição no mercado nacional.

Número de pessoas com diabetes tipo 1 pode duplicar até 2040

Perante a falta de conhecimento sobre as causas da doença, os especialistas pedem um diagnóstico atempado e um maior acesso a bombas que automatizam a administração de insulina.

“Há um défice de anestesiologistas, as necessidades são cada vez maiores”

Em entrevista, a presidente da Sociedade Portuguesa de Anestesiologia, eleita há poucos meses, alerta para o défice de especialistas no SNS, agravado pela multiplicação de áreas onde estes profissionais atuam e pela saída de anestesiologistas para o setor privado.
Comentários