STCP atinge resultados líquidos positivos em 2021

Contas individuais de 2021 demonstram melhoria de resultados face ao ano de 2020 e são as primeiras encerradas sob gestão intermunicipal. Os lucros de 83 mil euros representam um desagravamento de 12,1 milhões face ao ano anterior.

A STCP – Sociedade de Transportes Coletivos do Porto aprovou as contas individuais relativas ao ano de 2021, o primeiro ano sob gestão intermunicipal, o maior operador de transportes públicos da Área Metropolitana do Porto registou um resultado Líquido positivo de 83 mil euros, um desagravamento de 12,1 milhões de euros (101%) face a 2020.

Esta evolução “deveu-se essencialmente ao desagravamento do resultado operacional (EBIT), em 6,9 milhões de euros (70%), ao resultado financeiro nulo que, no ano anterior, tinha sido negativo em 2,5 milhões de euros e ainda à transferência dos acionistas“, realça a empresa em comunicado.

O EBITDA recorrente foi positivo no montante de cerca de 4,2 milhões de euros, o que representou um desagravamento de 7,2 milhões de euros (240%) relativamente a 2020. Apesar de, no ano de 2021, “ainda se ter verificado os efeitos causados pela situação pandémica instalada no país, constatou-se o retomar da tendência de EBITDA positivo que vinha a ser registada no período pré-pandemia, fruto das compensações financeiras verificadas”.

A STCP transportou, no modo autocarro e no modo carro elétrico, cerca de 51 milhões de passageiros, mais 1,8 milhões face ao ano anterior, correspondendo a um aumento de 3,64%. No entanto, face a 2019, a procura de passageiros representou 66%.

O aumento de passageiros em 2021 face a 2020 “explica-se pelo alívio, a partir do mês de abril, das medidas de contenção impostas pelo Governo no âmbito da pandemia da Covid-19, nomeadamente através do aumento da oferta da STCP, do fim da limitação da lotação máxima de 66% nas viaturas de transportes públicos e reforços de linhas”.

No ano em causa, a receita de transporte foi de 33,5 milhões de euros, mais cerca de 1,4 milhões de euros face ao ano anterior, um aumento de 4,2%. “Na comparação com o ano de 2019, ano de pré-pandemia, a receita de transporte representa cerca de 68%.”

No ano em análise foram percorridos 22,3 milhões de veículos km de serviço, “verificando-se um aumento na ordem dos 2%, cerca de 434 mil quilómetros face ao ano de 2020”.

Por outro lado, o valor do investimento realizado foi de 22.926 mil euros, sendo que 94% do investimento “diz respeito à aquisição de 81 autocarros a movidos a gás natural comprimido e cinco viaturas 100% elétricas”.

Ficou assim concluída a segunda fase do Programa de Renovação da frota de autocarros da STCP, “que contribuiu para a descarbonização da operação da empresa que, no total das duas fases, permitiu a substituição de 274 viaturas, correspondendo a 65% da frota de autocarros”. No final do ano, a frota de autocarros é composta por 5% de veículos 100% elétricos, 79% movidos a gás natural comprimido e 16% a gasóleo.

A 31 de dezembro de 2021, o efetivo da STCP era de 1.335 trabalhadores, excluindo órgãos sociais, requisitados e licenças sem vencimento.

A intermunicipalização da STCP, concretizada a 1 de janeiro de 2021, resultou em que o município do Porto é agora o acionista maioritário, sendo as restantes participações divididas entre os outros cinco concelhos onde a STCP opera: Gondomar, Matosinhos, Maia, Valongo e Vila Nova de Gaia.

Recomendadas

PremiumEndiama lança-se na refinação de ouro para ser ‘player’ de peso

O Grupo Endiama, através da Geoangol, vai avançar com a construção da Refinaria de Ouro de Luanda, localizada no Polo Industrial de Viana. Na próxima segunda-feira, 27 de junho, o ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, Diamantino Azevedo, apresentará este projeto.

Os desafios e constrangimentos de Christine Ourmières-Widener no primeiro ano

Christine Ourmières-Widener cumpre este sábado um ano como presidente executiva da TAP, um período marcado pelos desafios e constrangimentos da execução do plano de reestruturação, um compromisso que assumiu no primeiro dia.

PremiumAuditoria ao Novobanco há meses à espera do Parlamento

A terceira auditoria da Deloitte ao Novobanco foi entregue aos deputados em abril, mantendo-se como confidencial de forma provisória. Desde então, o tema não voltou a ser discutido.
Comentários